Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ator de ‘Piratas do Caribe’ vai à Síria para combater o EI

O britânico Michael Enright, de 51 anos, se uniu às milícias curdas para combater o avanço dos jihadistas na região

Acostumado aos roteiros hollywoodianos de filmes de ação, o ator britânico Michael Enright decidiu viajar à Síria para aceitar uma missão de verdade. Ele se uniu às tropas das Unidades de Proteção do Povo, as milícias curdas do país, para combater os terroristas do Estado Islâmico (EI). Nasser Hajj Mansur, porta-voz do Departamento de Defesa da região, disse que Enright passou a integrar as fileiras curdas há algumas semanas, após ter cruzado a fronteira com o Iraque. Mansur esclareceu que o britânico “ainda não se incorporou a nenhuma frente de batalha porque está recebendo treinamento”.

Leia também:

Estado Islâmico reivindica autoria de ataque no Texas

Chefe do Estado Islâmico está “clinicamente morto”, diz rádio

EUA oferecem recompensa milionária por informações sobre chefes do EI

Enright, de 51 anos, fez pequenas participações nos filmes Piratas do Caribe: O Baú da Morte (2006) e Encontro Explosivo (2010). Segundo o seu perfil no site de cinema Imdb, o ator britânico também integrou os elencos das séries de televisão Law & Order: Los Angeles, Criminal Minds e Agents of S.H.I.E.L.D.

Em mensagens publicadas no Facebook, combatentes estrangeiros que lutam junto aos curdos postaram fotografias e uma mensagem em que Enright explica à família e aos amigos as razões pelas quais se uniu à batalha contra os jihadistas. No texto, o ator menciona os reféns estrangeiros e o piloto jordaniano assassinados pelo EI, assim como as pessoas da minoria yazidi capturadas pelos radicais no Iraque.

Dezenas de estrangeiros já viajaram ao território sírio para lutar contra o EI junto às Unidades de Proteção do Povo. Em junho do ano passado, o EI proclamou um califado nos territórios dominados na Síria e no Iraque. Uma coalizão internacional chefiada pelos Estados Unidos tem realizado bombardeios aéreos para coibir o avanço dos terroristas e destruir posições estratégicas mantidas pelos extremistas no Oriente Médio.

(Da redação)