Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Atentado na Argélia termina com morte dos 32 terroristas

Segundo o Ministério do Interior, 23 reféns também perderam a vida no ataque ao complexo de produção de gás de In Amenas

Por Da Redação 19 jan 2013, 17h14

Após três dias de conflito sangrento, o exército argelino conseguiu por fim ao sequestro de funcionários do campo de exploração de gás In Amenas, no leste do país. A ofensiva deste sábado matou todos os 32 terroristas do grupo islâmico Batalhão de Sangue que participaram do atentado. Segundo o nota do Ministério do Interior do país africano, três dos terroristas eram argelinos e os demais ainda não tiveram nacionalidade confirmada.

A nota oficial define melhor os contornos do episódio. Desde que o atentado começou, na quarta-feira, circularam informações conflitantes sobre o número de reféns, o número de terroristas – e sobretudo o número de mortos resultantes das tentativas de salvamento. Segundo a autoridade argelina, 685 trabalhadores locais e 107 estrangeiros foram libertados. Todos os 32 terroristas foram mortos – mas 23 reféns também perderam a vida.

O primeiro lance da tragédia foi o ataque a um ônibus que transportava dezenove funcionários estrangeiros que trabalhavam no complexo de exploração de gás gerido pelas empresas Statoil, British Petroleum (BP) e Sonatrach. Segundo o documento, dois funcionários morreram (um argelino e um britânico) e seis ficaram feridos (quatro argelinos, um britânico e um norueguês) durante o ataque ao ônibus. A rede americana de televisão CNN afirma, citando autoridades argelinas, que o ataque terrorista foi retaliação pelo fato de a França ter utilizado o espaço aéreo do país africano para executar sua ofensiva contra militantes islâmicos no Mali.

O texto diz ainda que os terroristas conseguiram escapar e chegar ao alojamento dos funcionários, que ficava a três quilômetros do local do sequestro ao ônibus. Segundo a nota, a ofensiva levada a cabo neste sábado foi necessária para “neutralizar a ameaça que punha em perigo centenas de vidas humanas e o potencial econômico do país”.

O Ministério afirmou ainda que os terroristas tinham a intenção de fugir do país com alguns reféns e explodir as instalações do campo de gás. Os oficiais que participaram da operação final afirmaram ter encontrado minas, explosivos, granadas, fuzis e metralhadoras no local.

Leia também:

Reféns relatam cenas de terror em instalação de gás

Exército da Argélia liberta 650 reféns, afirma agência estatal

Continua após a publicidade
Publicidade