Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Após queda na Bolsa de Lima, Humala pede calma

Investidores temem que o novo presidente instaure um 'chavismo peruano'

Por Da Redação
7 jun 2011, 17h00

O presidente eleito do Peru, Ollanta Humala, pediu nesta terça-feira que o país tenha calma e que continue trabalhando. O apelo foi feito em uma breve declaração à imprensa, um dia após a queda histórica na Bolsa de Valores de Lima, ocasionada pelo anúncio de sua vitória no segundo turno das eleições presidenciais.”Peço calma a todos, estamos fazendo o melhor que podemos e temos que continuar trabalhando”, disse. “Agradeço as demonstrações de carinho e civismo, e a comemoração de minha eleição em todos os povoados, porque foi a vitória da democracia frente a outros sistemas que não praticamos”, acrescentou. Humala derrotou nas urnas a candidata Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori, atualmente preso sob a acusação de ordenar dois massacres contra civis.

Visita – Também nesta terça-feira, Humala anunciou que fará um giro regional que o levará a Brasil, Uruguai, Argentina e Chile, começando na próxima quarta-feira. Em uma segunda etapa, antes de assumir o cargo, em 28 de julho, ele deverá viajar também a Venezuela, Equador, Colômbia e Bolívia.

“Recebemos as saudações de um grande número de chefes de Estado da região e recebemos convites de diversos países para visitá-los; estamos organizando um giro pela região latino-americana. Começando pelo Brasil, vamos ao Uruguai, à Argentina e ao Chile”, disse Humala.

A presidente Dilma Rousseff havia ligado para o peruano na segunda-feira a fim de parabenizá-lo pela vitória e desejar “boa sorte”. Na ocasião, ela o convidou para visitar o Brasil.

Continua após a publicidade

Contexto – O nacionalista, um ex-militar de 48 anos, foi eleito no último domingo o novo presidente do Peru, cargo que assumirá em 28 de julho. Ex-aliado do presidente venezuelano Hugo Chávez e de família comunista, Humala preocupa boa parte dos empresários peruanos. Os investidores nacionais e internacionais temem que o novo presidente implante no país um “chavismo peruano”. Na segunda-feira, devido a esse temor, a Bolsa de Valores de Lima teve seu pior resultado, registrando uma queda de 12,51%.

(Com agência France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.