Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alemanha lembra Holocausto com discurso de sobrevivente

Esta 6ª feira é o Dia Internacional em Memória dos 5,5 milhões de judeus mortos

Com o discurso de um sobrevivente do gueto de Varsóvia, o crítico literário Marcel Reich-Ranicki, a Alemanha lembrou nesta sexta-feira o Holocausto judeu no 67º aniversário da libertação do campo de extermínio nazista de Auschwitz, realizada em 27 de janeiro de 1945. Diante do Parlamento germânico, na presença do presidente da Alemanha, Christian Wulff, e da chanceler Angela Merkel, Reich-Ranicki lembrou dos tempos em que esteve preso no gueto da capital polonesa e das deportações em massa aos campos de extermínio.

Lista: Relembre os 10 maiores genocídios da história mundial

Aos 91 anos de idade, o crítico literário necessitou da ajuda do próprio presidente alemão e do presidente do Tribunal Constitucional, Andreas Vosskuhle, para chegar e, posteriormente, deixar o púlpito da câmara baixa, chamada de Bundestag. De origem polonesa, o sobrevivente do gueto de Varsóvia explicou que o que os nazistas qualificaram como “mudança dos judeus, na realidade, foi uma deportação de Varsóvia com um só fim: a morte”.

Reich-Ranicki relatou que, como tradutor na administração do gueto, soube dos planos para as deportações dos judeus com antecedência, além de que os empregados e seus familiares do conselho judeu seriam excluídos dessa medida. Segundo o crítico literário, nesse mesmo dia ele se casou com sua namorada Teófila, com quem foi casado durante 69 anos. O discurso de Reich-Ranicki impressionou todos os presentes na Bundestag, incluindo várias classes de estudantes alemães, franceses e poloneses.

Homenagem – Na abertura da sessão, o presidente da Bundestag, Norbert Lammert, honrou expressamente aqueles cidadãos da Alemanha que enfrentam a extrema-direita e o neonazismo. “São pessoas que dão exemplo e mostram coragem”, disse Lammert, o qual revolou que recentes estudos mostraram que 20% da população alemã possuem convicções “antissemitas latentes” e que esse tipo de pensamento não é aceitável neste país.

Desde 1996, o Parlamento alemão dedica esta data para lembrar a libertação de Auschwitz e a memória das vítimas do genocídio cometido pelos nazistas, não só contra os judeus, mas contra outras minorias étnicas e sociais como os ciganos e os homossexuais. Outras homenagens também foram realizadas nesta manhã diante dos memoriais erguidos em diferentes campos de concentração nazista no território germânico, como o de Sachsenhausen e o de Ravensbrück.

(Com agência EFE)