Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Ajuda a refugiados sofrerá ‘cortes severos’ sem doações imediatas, diz ONU

Chefe da agência das Nações Unidas para refugiados alertou que situação pode levar a deterioração ainda maior em algumas das regiões mais pobres do mundo

Por Da Redação Atualizado em 10 out 2022, 14h18 - Publicado em 10 out 2022, 14h11

O chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi, disse nesta segunda-feira, 10, que a agência precisa fazer “cortes severos” caso não obtenha financiamento extra em breve, alertando que a situação pode levar a uma deterioração ainda maior de algumas das regiões mais pobres do mundo.

A guerra na Ucrânia, que fez com que o número de refugiados chegasse a 100 milhões em todo o planeta, juntamente com a crise em andamento no Afeganistão, inundações no Paquistão e a violência em Camarões fez com que o orçamento do ACNUR aumentasse para quase 11 bilhões de dólares, o equivalente a 57,3 bilhões de reais, um recorde.

+ Incertezas e nós logísticos dificultam a vida dos refugiados ucranianos

“Lamento informá-los que, pela primeira vez durante meu mandato, estou preocupado com a situação financeira da agência”, disse Grandi, em um discurso aos representantes dos países membros em Genebra.

Segundo ele, “se o ACNUR não receber pelo menos mais 700 milhões de dólares (3,6 bilhões de reais), especialmente para as operações mais sub financiadas, entre agora e o final deste ano, seremos forçados a fazer cortes severos com consequências negativas e às vezes dramáticas para refugiados e comunidades anfitriãs”. 

Continua após a publicidade

Os Estados Unidos são de longe os maiores doadores, já tendo contribuído com mais de 2 bilhões de dólares (10,4 bilhões de reais) apenas neste ano. Mesmo com o investimento, 12 programas da agência estão com menos de 50% do financiamento necessário, de acordo com um porta-voz. Ainda de acordo com ele, há preocupações particulares com o Oriente Médio, Iêmen e Etiópia. 

“Tememos que as consequências dos cortes sejam de longo alcance, que vão desde o aumento das taxas de desnutrição, até o aumento dos riscos de crescimento da violência de gênero, casamento infantil, exploração do trabalho, aumento das tensões e agitação nas comunidades locais devido à escassez de recursos e assim por diante”, disse.

+ Mundo bate recorde de deslocamentos forçados em 2021, diz relatório

No mesmo discurso, Grandi expressou preocupação também com o impacto do inverno do hemisfério norte em cerca de 6,2 milhões de pessoas que se deslocaram internamente na Ucrânia, principalmente idosos e deficientes, que se encontram em situação de maior vulnerabilidade. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.