Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

A operação feita por Elon Musk para manter a Ucrânia conectada à internet

Resultado de conversa pública entre bilionário e político ucraniano vista como golpe de marketing, agora desempenha papel significativo na defesa de Kiev

Por Da Redação Atualizado em 30 mar 2022, 17h19 - Publicado em 30 mar 2022, 17h17

Em 26 de fevereiro, dois dias após a Rússia dar início à invasão à vizinha Ucrânia, Mykhailo Fedorov, vice-premiê e ministro da Transformação Digital ucraniana, fez um pedido pouco comum para um dos mais poderosos chefões da área tecnológica. Ao excêntrico Elon Musk, instou: “enquanto você tenta colonizar Marte a Rússia tenta ocupar a Ucrânia! Enquanto seus foguetes pousam com sucesso no espaço — foguetes russos atacam a população civil ucraniana! Pedimos que você forneça à Ucrânia estações Starlink”.

A Starlink, uma das empresas do bilionário dono da Tesla, provê conexão de internet via satélites de baixa órbita – a 550 km da Terra –, sem a necessidade de instalação de infraestrutura. A empresa já lançou mais de 2.000 satélites e não depende de torres ou fibras óticas. 

Vendo uma chance de ouro de provar a importância do seu produto, Musk rapidamente respondeu dando sinal positivo e, antes mesmo da invasão completar a primeira semana, Fedorov publicou uma foto de novos terminais Starlink sendo transportados direto à Ucrânia. Sem grandes debates ou controles parlamentares e governamentais, uma conversa pública entre um político e ume bilionário, vista primeiro como um golpe de relações públicas, agora desempenha um papel significativo na defesa ucraniana.

O pedido partiu da preocupação de que os russos tentariam derrubar as infraestruturas de comunicação do país o mais rápido possível, uma tática militar quase padrão. Se comandantes inimigos não conseguem se comunicar com o campo de batalha, soldados não conseguem receber comandos e, com armas super-modernas e avançadas, há ainda o risco de se tornarem menos eficazes.

Fora do campo de batalha, há, claro, consequências para a população geral, que fica com menos acesso a informações, transações bancárias e capacidade geral de comunicação, até mesmo para chamar ambulâncias, por exemplo. Na última segunda-feira, 28, um ataque cibernético à Urktelecom, uma das maiores empresas de telecomunicações do país, bloqueou o acesso de maior parte dos usuários à internet.

O fato é que, com o sistema de Musk, os ucranianos ainda não ficaram na mão. De acordo com a mídia britânica, o Exército ucraniano está usando o Starlink para ataques com drones contra taques e posições russas. Segundo o The Telegraph, a unidade de reconhecimento aéreo Aerorozvidka está usando o sistema justamente pela capacidade de transmissão de dados com velocidade e a estabilidade.

Com a confiança elevada, Musk ainda foi além. Em publicação no Twitter, resolveu provocar o presidente russo, Vladimir Putin, faixa preta de judô e ex-agente da KGB, a um duelo. O vencedor da disputa “mano a mano”, segundo ele, fica com a Ucrânia.

Questionado por um internauta sobre a brincadeira, Musk afirmou que estava “falando absolutamente sério”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês