Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Médico vê relação entre problema de Ricardo Gomes em 2010 e atual

Por Da Redação 29 ago 2011, 11h48

O médico do Vasco Alexandre Campello considera que o atual problema de saúde do técnico Ricardo Gomes, que sofreu um AVC hemorrágico neste domingo, tem relação com aquele que o técnico teve quando ainda treinava o São Paulo, em 2010.

‘Certamente sim [tem relação]. Ele teve uma isquemia transitória, e isso acontece por pico hipertensivo. Talvez ele tem uma pressão arterial mal controlada’, disse o médico, em entrevista para o SporTV. Ainda segundo Campello, Ricardo Gomes tomava medicamentos para controlar o problema, mas de forma irregular.

No domingo, após o treinador ser levado de ambulância do Engenhão, onde o Vasco enfrentava o Flamengo, Clovis Munhoz, outro médico cruz-maltino, tratou de evitar relações, e considerou que o pequeno AVC que o técnico teve no tricolor paulista não tinha nada a ver com o atual.

Apesar de o estado do comandante cruz-maltino ser grave, Campello se animou com a diminuição do hematoma após a cirurgia na noite de domingo.

‘O estado do Ricardo é estável. Ele está sedado, em coma induzido. Foi realizada uma tomografia que mostrou uma regressão do hematoma, o procedimento foi feito de forma muito rápida, e é importante para a recuperação dele’, ponderou.

Em contato telefônico com a GE.Net, o doutor Marco Aurélio Cunha, que trabalhou com Ricardo Gomes no São Paulo e é amigo do treinador, afirmou não ter conhecimento de outros problemas de saúde relacionados à situação que o comandante viveu no Tricolor.

‘O Ricardo sempre teve contato comigo, falei com ele quinta e sexta, por telefone. Depois de diagnosticado e fazer o tratamento [no São Paulo], ele passou a levar uma vida normal, como qualquer paciente que tem um problema e se trata. Não sei se o nível de pressão arterial teve alguma alteração, pois ele não estava aqui conosco’, afirmou.

‘O tratamento foi feito e ele retomou sua vida normalmente. Se ele tivesse tido alguma queixa, o que acho que ele não teve, ele deveria procurar tratamento, mas não soube de algum outro problema’, completou Marco Aurélio.

Após a cirurgia, Campello evita falar sobre possíveis sequelas no comandante cruz-maltino. Segundo ele, por Ricardo estar sedado, não é possível saber se o comandante teve sua fala ou motricidade prejudicadas. Em 72 horas, quando a sedação deverá ser diminuída, ele será avaliado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)