Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Um salto para a história: Thiago Braz, o ouro do Brasil

Abandonado pela mãe na infância, Braz atingiu 6,03 metros de altura no salto com vara e levou o ouro no Rio-2016

Por Da redação - Atualizado em 16 ago 2016, 15h25 - Publicado em 16 ago 2016, 15h24

Na noite da última segunda-feira, o Brasil viu o nascimento de um novo herói olímpico: Thiago Braz conquistou a primeira colocação no salto com vara masculino e trouxe uma conquista inédita para o país. Pouco conhecido pelo grande público, o esportista já era o melhor da modalidade na América Latina. Agora, sagra-se o melhor do mundo.

A infância de Braz, hoje com 22 anos, esteve longe da glória dos dias atuais. Ainda pequeno, em Marília, no interior de São Paulo, o menino foi abandonado pela mãe na casa dos avós. Segundo relato de familiares, Thiago esperou durante dias o retorno da mãe com uma mochila nas costas – até perceber que esse dia não chegaria.

Leia também:
Thiago Braz se espanta com seu feito: ‘Que salto bonito!’
Derrotado por Thiago, francês reclamada das vaias dos brasileiros

Em meio ao período turbulento, a paixão pelas alturas começou a tomar forma. O fascínio e o sonho de voar, Braz atingiu não com um avião, mas com auxílio da vara. O tio, Fabiano Braz, um atleta do decatlo, percebeu o dom do menino e, aos 13 anos, Braz começou a treinar sob sua supervisão. Dois anos depois, o prodígio passou a ser lapidado por Élson Miranda de Souza, marido e técnico de Fabiana Murer (campeã mundial de salto com vara).

O potencial era mais que evidente e, com apenas 16 anos, participou dos primeiros Jogos Olímpicos da Juventude, em Cingapura-2010, conquistando a prata. No mesmo ano, foi medalha de ouro no sul-americano juvenil. Sua primeira grande competição adulta foi o Mundial de Moscou-2013; na ocasião, no entanto, Braz não passou da fase classificatória.

Publicidade

Em 2014, Thiago Braz se casou com Ana Paula Oliveira, atleta da mesma modalidade (que não conseguiu vaga nas Olimpíadas no salto em altura) e se mudou para a Itália para treinar com o mítico Vitaly Petrov, mentor das grandes lendas Sergey Bubka e Yelena Isinbayeva. Após sofrer uma fratura na mão esquerda que exigiu cirurgia, o atleta teve ajuda da mulher para superar a penosa recuperação.

Com muito esforço, Braz não perdeu o foco nas Olimpíadas e, após dez saltos, conseguiu uma altura histórica: voou a 6,03 metros de altura, levou o ouro e ainda estabeleceu um novo recorde olímpico. Mais jovem, Braz havia respondido um questionário sobre seus objetivos profissionais e afirmou que devia “aceitar o que Deus tivesse” para ele. Parece que a vitória estava marcada em seu caminho.

(Com AFP)

Publicidade