Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Contra ‘zebra’, Muricy Ramalho recorre a exemplo do Mazembe

Concentrado na disputa do Mundial de Clubes da Fifa, o Santos quer evitar surpresas no caminho até a final do torneio, em que pode encarar o poderoso Barcelona (Espanha). Segundo o técnico Muricy Ramalho, o exemplo mais utilizado por ele para alertar os seus jogadores contra uma possível ‘zebra’ na semifinal da competição, fica por conta da vitória do Mazembe (República Democrática do Congo) sobre o Internacional-RS, no Mundial do ano passado.

‘No futebol, quando você falar num assunto, tem que dar um exemplo. Você não convence o jogador só com conversa, com o seu pensamento. Você tem que dar exemplo, senão eles não acreditam, e o exemplo mais recente que temos é o Internacional no ano passado. Claro que todo mundo só pergunta do Barcelona, mas aqui dentro sabemos que o primeiro jogo é duro demais e que, como toda estreia, é um estresse danado’, disse Muricy, em entrevista ao site oficial da Fifa.

Segundo o treinador, ele procurou conversar até mesmo com pessoas que trabalham no Colorado, para informar os seus atletas sobre o risco que correm, caso haja um excesso de confiança antes da semifinal, marcada para o dia 14 deste mês, em Toyota.

‘Conversei com gente do Inter-RS, onde já trabalhei e tenho amigos, para saber o que aconteceu. E o que me disseram foi mais ou menos isso: porque só se falava da final e se esqueceu do primeiro jogo. E não pode um time brasileiro errar pela segunda vez’, comentou.

Muricy Ramalho ainda destacou que, internamente, o grupo tem a consciência de que precisa apresentar um bom futebol na semifinal para chegar à decisão. ‘Para fora fica a impressão de que só se fala no Barcelona, mas aqui dentro a gente fala demais no primeiro jogo’, afirmou.

Vale lembrar que, na semifinal do Mundial, o Peixe pode enfrentar Monterrey (México), Auckland City (Nova Zelândia) ou o campeão japonês, representante do país-sede do campeonato, que ainda não foi definido: Gamba Osaka, Kashiwa Reysol e Nagoya Grampus brigam pelo título.