Clique e assine a partir de 9,90/mês

Com irmão de Luan e ‘barreira de vôlei’, Assunção aprimora faltas

Por Da Redação - 9 jul 2012, 12h13

Os dois gols palmeirenses diante do Coritiba na última quinta-feira tiveram participação de Marcos Assunção. E o volante quer voltar a contribuir nesta quarta, no jogo de volta da final da Copa do Brasil, tanto que treinou exaustivamente cobranças de falta nesta segunda-feira, na Academia de Futebol, após participar por 40 minutos de um minicoletivo.

O aproveitamento do camisa 20, contudo, não foi dos melhores: cerca de 36%. Entre faltas frontais e laterais, Assunção fez 36 cobranças e só converteu 13. Acertou a trave quatro vezes, a barreira seis e viu os goleiros Brunos e Raphael Alemão defenderem cinco chutes. Oito arremates foram direto para fora.

O responsável por caçar as bolas chutadas e posicioná-las para Assunção bater era o irmão mais novo de Luan, que antes já ajudara o preparador de Carlos Pracidelli no treino específico para goleiros. O menino chegou a ouvir instruções do técnico Luiz Felipe Scoalri e arriscou algumas embaixadinhas, mostrando habilidade.

Felipão, aliás, quis inovar. O treinador pediu para que Pracidelli e os três goleiros que não estavam participando da atividade ficassem posicionados atrás do objeto que imita uma barreira, de mãos levantadas. Quando Assunção batia, o grupo ainda pulava, como num treino de bloqueios no voleibol.

Continua após a publicidade

Na quinta-feira passada, o Palmeiras venceu o Coritiba na Arena Barueri por 2 a 0. O primeiro gol saiu dos pés de Valdívia, em pênalti que Betinho sofreu após cobrança de falta de Assunção. Já o segundo foi de cabeça, de Thiago Heleno, depois de nova bola parada do camisa 20. Se balançar a rede no jogo de volta, nesta quarta, no Couto Pereira, o Verdão obriga os paranaenses a marcarem quatro gols para saírem com o título.

Publicidade