Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chelsea entra para hall de campeões europeus com Drogba e Cech como heróis

Redação Central, 19 mai (EFE).- A festa estava armada para armada para o Bayern de Munique, que tinha o privilégio de disputar a final da Liga dos Campeões em casa neste sábado, mas dois dos maiores jogadores do futebol mundial atual em suas posições – o goleiro Petr Cech e o atacante Drogba – e a trave colocaram água no chopp dos bávaros na Allianz Arena.

Derrotado nos pênaltis para o Manchester United há quatro anos, o Chelsea venceu o Bayern por 4 a 3 justamente na disputa de penalidades após empate em 1 a 1 no tempo normal, que persistiu na prorrogação, e se sagrou campeão europeu pela primeira vez. Quem também conquistou o primeiro título foi a cidade de Londres, sexta capital europeia a chegar ao topo da Liga dos Campeões.

A equipe alemã se colocou muito perto do título aos 37 minutos do segundo tempo, quando Müller fez 1 a 0, mas Drogba, de cabeça, igualou o placar cinco minutos depois e provocou a realização do tempo extra.

Na prorrogação, Robben teve a bola do jogo para o Bayern, mas, assim como há um mês, em uma ‘final antecipada’ do Campeonato Alemão contra o Borussia Dortmund, desperdiçou o pênalti, defendido pelo goleiro Cech. O tcheco ainda defendeu outra cobrança durante a disputa final, de Olic, e contou com a ajuda da trave no chute de Schweinteiger para poder comemorar a inédita conquista.

A derrota na Allianz Arena faz com que o time de Munique iguale a Roma de 1984, que perdeu a decisão do principal torneio interclubes da Europa em casa. O Real Madrid de 1957 e a Inter de Milão continuam sendo os únicos a terem dado a volta olímpica em seus estádios.

Além disso, os bávaros poderiam se juntar ao Liverpool como o terceiro maior campeão europeu, com cinco taças. Ao contrário, igualou Juventus e Benfica na lista de times que mais vezes foram vice, com cinco decisões perdidas.

O Chelsea não fez chorar apenas a torcida alemã. Com o título, os ‘Blues’ se garantiram na próxima edição da Liga dos Campeões, ‘tirando’ a vaga do Tottenham, quarto colocado do Campeonato Inglês, que disputará a Liga Europa. O Newcastle, por sua vez, fica sem vaga em torneios europeus, e o Anderlecht será obrigado a estrear na ‘Champions’ ainda na fase preliminar.

Os dois times entraram em campo com vários desfalques. No Bayern, o técnico Jupp Heynckes não pôde contar com o zagueiro Badstuber, o lateral Alaba e o volante Luiz Gustavo, todos suspensos. Tymoshchuk atuou improvisado na defesa, e Contento foi o dono da posição na lateral esquerda. No meio-campo, Kroos foi recuado, e com isso Müller voltou à equipe titular.

O Chelsea, por sua vez, teve problemas em quase todos os setores. Também por suspensão, o lateral-direito Ivanovic, o zagueiro John Terry, o volante Raul Meireles e o meia Ramires não puderam jogar. Assim, a zaga foi formada por David Luiz e Cahill, ambos recém-recuperados de lesão. No meio-campo, o jovem Bertrand foi o primeiro jogador em toda a história a estrear na Liga dos Campeões logo na final.

Contra o Barcelona nas semifinais, o time londrino fez uso de uma forte retranca para se classificar e disse que essa era a única alternativa. Única ou não, a opção voltou a ser utilizada na Allianz Arena. Os ‘Blues’ demoraram 33 minutos para chutar a gol, em falta ensaiada, na qual Mata encobriu a meta do goleiro Neuer.

Antes, aos sete minutos, Robben teve a primeira boa chance da decisão. O meia holandês fez sua jogada característica, avançando da direita para o meio e chutando da entra da área. A bola também passou por cima.

O Bayern tinha maior posse, mas tinha dificuldades para passar pela forte marcação adversária e entrar na área. Quando conseguiu, aos 20 minutos, quando Robben trocou passes com Ribéry e finalizou para defesa com os pés de Cech.

O primeiro tempo melhorou a partir dos 30 minutos, quando os times – principalmente o Chelsea – se soltaram um pouco mais. Aos 35, Contento recebeu de Ribéry e cruzou da esquerda para Müller, que pegou de primeira, mandando perigosamente para fora.

A resposta do Chelsea foi rápida. Aos 37, em belo contra-ataque Drogba ajeitou na direita para Kalou. O camisa 21 ajeitou o corpo e chutou forte e com curva, dificultando a defesa de Neuer.

Ainda antes do intervalo, aos 42 minutos, Gómez se livrou da marcação com um belo giro e ficou de frente para o gol. Na hora de arrematar, porém, o ‘Super Mario’ fez feio e isolou.

O Bayern balançou a rede logo aos oito minutos do segundo tempo, mas a jogada foi corretamente anulada pela arbitragem. Robben bateu em cima de Cole e, na sobra, Ribéry completou para o gol. No entanto, o meia francês estava impedido.

A retranca do Chelsea continuava impenetrável, e faltava ao time de Munique um lance individual que resolvesse a situação. Kroos até tentou, aos 17 minutos, e passou por dois defensores, mas chutou para fora.

Os ‘Blues’ finalmente atacaram com maior perigo na etapa final após os 20 minutos. Aos 22, Drogba fez boa jogada e cruzou rasteiro, mas Contento afastou o perigo. Logo na sequência, Neuer vacilou, e o marfinense bateu, mas houve tempo para que o goleiro se recuperasse e defendesse firme.

Müller, que minutos antes perdeu uma boa chance por puro nervosismo, teve tempo para mostrar algo além de tensão. Aos 37, Kroos levantou da direita na medida para o camisa 25, que cabeceou como pede o manual, para baixo. Após quicar no chão, a bola encobriu Cech, que em toda a carreira já fez defesas em finalizações mais difíceis que essa.

A pressa então mudou de lado, e o Chelsea, que até então pouco incomodava, foi para o desespero até chegar ao empate, que aconteceu aos 43. Mata bateu escanteio da direita, Drogba se movimentou bem e cabeceou com a força de um chute. Neuer ainda esbarrou na bola, mas não evitou que ela entrasse.

A prorrogação começou com o Bayern se arriscando mais. Drogba, que foi o herói do empate dos ingleses, teve tudo para ser o vilão do tempo extra ao cometer pênalti em Ribéry, aos cinco minutos do primeiro tempo. Mas Robben bateu mal e Cech até encaixou em dois tempos.

A defesa do goleiro tcheco abateu os alemães, mas o Chelsea não soube se aproveitar. Na virada de lado, o time da casa esboçou uma pressão, mas Olic vacilou aos três minutos, ao cabecear para o meio em vez de tentar o gol. Pouco depois, aos seis, a bola ficou viva na pequena área, e David Luiz afastou com um chutão.

Nos pênaltis, o Bayern saiu em vantagem graças ao erro de Mata, mas as falhas de Olic e Schweinsteiger deram o primeiro título de Liga dos Campeões de sua história ao Chelsea.

Ficha técnica:.

Bayern de Munique: Neuer; Lahm, Tymoshchuk, Boateng e Contento; Kroos, Schweinsteiger, Robben, Müller (Van Buyten) e Ribéry (Olic); Gómez. Técnico: Jupp Heynckes.

Chelsea: Cech; Bosingwa, David Luiz, Cahill e Ashley Cole; Mikel, Lampard, Bertrand (Malouda), Mata e Kalou (Fernando Torres); Drogba. Técnico: Roberto Di Matteo.

Arbitragem: Pedro Proença (Portugal), auxiliado por seus compatriotas Manuel de Sousa e Duarte Gomes.

Cartões amarelos: Schweinsteiger (Bayern de Munique); Ashley Cole, David Luiz, Drogba e Fernando Torres (Chelsea).

Gols: Müller (Bayern de Munique); Drogba (Chelsea).

Pênaltis: Bayern: Lahm, Gómez e Neuer converteram – Olic e Schweinsteiger erraram; Chelsea: David Luiz, Lampard, Ashley Cole e Drogba converteram – Mata errou. EFE