Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após queda, corredora ajuda adversária na prova dos 5.000 metros

A neozelandesa Nikki Hamblin e a americana Abbey D’Agostino chegaram nos últimos lugares, mas a atitude comovente garantiu-lhes a vaga na final

Uma aula de espírito olímpico protagonizada pela corredora neozelandesa Nikki Hamblin e pela americana Abbey D’Agostino marcou a semifinal dos 5.000 metros feminino na manhã da última terça-feira, no Engenhão. Faltando cerca de 1.600 metros para completar a prova, Hamblin, que vinha pelo interior da pista, seguida de perto pela americana, sofreu uma queda e acabou derrubando a adversária, que não conseguiu evitar o choque e torceu o tornozelo.

Em vez de prosseguirem, as duas atletas se ajudaram a levantar e seguiram a prova. Poucos metros depois, com muitas dores, a americana voltou a cair na pista. Incentivada pela neozelandesa, D’Agostino completou a prova mesmo com o tornozelo torcido. Na linha de chegada, as duas se abraçaram, protagonizando uma cena emocionante nos Jogos do Rio.

Leia também:
Lenda do atletismo, Bubka parabeniza Thiago Braz
“Pedi para terem respeito por ele”, diz Thiago Braz 

Hamblin completou a bateria na 15ª posição, com o tempo de 16min43s61, enquanto D’Agostino, que completou em 16º, a última posição, saiu da pista de cadeira de rodas e registrou 17min10s02. A primeira na classificatória foi a etíope Almaz Ayana, campeã olímpica e recordista na prova dos 10.000 metros, que marcou o tempo de 15min04s35.

A emotiva cena das atletas se abraçando após a chegada, reproduzida no telão do estádio, comoveu o público. Após protestos das equipes os juízes decidiram classificar as duas atletas para a final, que será disputada na sexta-feira. Ainda não se sabe se a lesão da americana a impedirá de competir novamente – mas o gesto já vale a medalha de ouro.