Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Santos Dumont’ na HBO: do gênio incompreendido aos rumores gays

A minissérie narra a vida e os feitos do herói desajustado que abalou Paris — e tem muito a dizer sobre o Brasil dos dias atuais

No seleto restaurante Maxim’s, na Paris do início do século XX, a elite francesa se encontra para celebrar os feitos de um franzino brasileiro: Alberto Santos Dumont (1873-1932). Tímido, ele segue com o amigo Sem, nome artístico do cartunista George Goursat, para uma mesa ao fundo. O popular aviador, que já estampava capas de jornais com suas aventuras pelo céu francês a bordo de dirigíveis, revela ao cartunista os planos de retornar ao Brasil. Discretamente, Sem pousa a mão sobre a de Dumont e pede a ele que reconsidere a decisão. O inventor retribui o toque, mas logo recolhe o braço, com receio de que alguém perceba a intimidade.

A rápida cena de Santos Dumont fornece uma pista sobre o lado que a minissérie — com estreia na HBO no domingo 10, às 21 horas — tomará na velha e animada especulação sobre a vida sexual do maior inventor nacional. A orientação do aviador divide seus diversos biógrafos: a maioria concorda que o excêntrico rapaz de aparência aprumada (e que nunca se casou) era homossexual ou bissexual — mas há até uma teoria de que fosse “assexual”. O affair com Sem (Pedro Alves), ao que consta, rolava solto: de tão próximos, os dois se vestiam de modo parecido. Um interessante pitaco sobre o assunto vem de seu próprio intérprete na série. Com a autoridade de quem mergulhou na vida e obra de Dumont, o ator carioca João Pedro Zappa poetiza: “A energia dele não ficava parada numa frequência sexual: era tão intelectual que não bastou ficar só na mente, precisou ascender ao céu”.

É louvável, e até tardio, que uma produção se proponha a investigar o dito “pai da aviação”. Mais de um século depois do voo de Dumont a bordo do 14-Bis, em 1906, o personagem ainda se faz atual — e enigmático. Para além de seus feitos, o mineiro de ascendência francesa tem tudo o que um herói da televisão atual requer: apesar de visionário, é um ser humano atormentado por fantasmas pessoais. Nas mãos da HBO, que consagrou os tipos imperfeitos, era de esperar um retrato capaz de desnudar (opa!) o homem sob a pátina do ufanismo. Nos dois episódios (de um total de seis) a que VEJA teve acesso, porém, a missão tem êxito relativo.

‘TRÈS CHIC’ – Dumont: excêntrico

‘TRÈS CHIC’ – Dumont: excêntrico (Keystone-France/Getty Images)

Com direção de Estevão Ciavatta e Fernando Acquarone, a série ostenta visual luxuoso: os figurinos são impecáveis, e as muitas cenas aéreas e a recriação da Paris da belle époque impressionam. Mas a exploração do lado humano de Dumont, que demandaria alguma audácia imaginativa para preencher lacunas sobre sua personalidade fugidia, é engessada pela reverência quase documental e pelo detalhismo histórico. Da infância na fazenda de café de sua família em Ribeirão Preto às excentricidades que abalaram Paris, o passeio por sua biografia é eficiente — mas não chega a brilhar.

Inovador e aventureiro, mas tão melancólico que cometeria suicídio aos 59 anos, Dumont é honrado, no final das contas, pela interpretação de João Pedro Zappa — tão afiada que não se poderia imaginar uma escolha melhor (leia mais no quadro). Ele confere graça ao rapaz que torra a herança em suas incontáveis invenções, enquanto choca a sociedade francesa com suas idiossincrasias. Como mostra a série, foi Dumont quem idealizou o relógio de pulso masculino, ao encomendar ao relojoeiro Cartier (o próprio Acquarone) o modelo hoje comercializado por preços que vão de 30 000 a 300 000 reais. Para disfarçar seu 1,52 metro de altura, Dumont criou sapatos masculinos com salto e desenhou ternos de listras na vertical, para alongar a silhueta. Como se nota, a cena da mãozinha não destoa do todo retratado. Aos que possam se indignar com o rasante gay, Zappa avisa: “Sinto muito, vão se tratar. É 2019”.


“Um homem sensível e ético”

Quando João Pedro Zappa viu a oportunidade de fazer um teste para o protagonista da série Santos Dumont, perguntaram-lhe se sabia falar francês, algo essencial para o personagem que passa anos em Paris. “Se preciso for, eu falo”, disse o carioca de 31 anos. Cinco meses de aulas intensivas na língua depois, ele se fundiu de tal modo ao personagem que é difícil reconhecê-lo atrás do bigodinho do aviador. Zappa tem o dom camaleônico que define um bom ator.

Além de ter trabalhado em novelas da Globo e minisséries, como a recente Os Dias Eram Assim, ele protagonizou dois ótimos filmes: Gabriel e a Montanha (2017), sobre o aventureiro Gabriel Buchmann, que morreu ao subir o africano Monte Mulanje em 2009, e Boa Sorte (2014), no qual vive um adolescente viciado em recuperação. Para encarnar Dumont, o ator assistiu a vídeos e se apegou às feições do inventor em fotos. “Foi um trabalho de máscara. Com um personagem famoso, não dá para inventar muito”, diz, todo humilde. Mas o que definiu seu registro, afinal, foram as impressões para além da aparência. “É um personagem complexo, envolto em mistérios. Mas, principalmente, um homem sensível, ético e apaixonado pelo progresso.” Defender com garra um personagem é isso aí.

Publicado em VEJA de 13 de novembro de 2019, edição nº 2660