Clique e assine a partir de 9,90/mês

Os melhores botecos de Cuiabá

Bares fazem parte dos 200 endereços integrantes da edição digital de VEJA COMER & BEBER CUIABÁ 2018/2019

Por Lidiane Barros, Marianna Marimon, Renan Marcel e Vinicius Tamamoto - Atualizado em 30 Apr 2018, 15h56 - Publicado em 27 Apr 2018, 01h00

Bar do Bigode

O espaço que nasceu a partir do bloco carnavalesco hoje é um dos bares mais procurados da Praça da Mandioca. Não à toa, já que há programação musical todos os dias. Às quintas-feiras, por exemplo, é a vez do chorinho. Quem aparece por lá no domingo ouve rap e pode assistir às batalhas de rima disputadas entre artistas locais. Para beber, o pessoal costuma pedir a garrafa de Brahma ou Skol (R$ 10,00 cada uma). Entre os drinques, o pintada recebe vodca, curaçau blue, energético e suco de pêssego (R$ 8,00). Rua Ricardo Franco, 614, Praça da Mandioca, 2129-7742 (800 lugares). 19h/4h (fecha seg. e ter.). Aberto em 2015.

Bar do Edgare

Aberto há 45 anos, o local hoje dedica-se ao rock’n’roll de quinta a sábado, dias com música ao vivo. Da cozinha saem tira-gostos para dividir, a exemplo da moela ao vinho tinto (R$ 30,00) e dos pastéis, um dos carros-chefes. A receita que agrada a clientela leva água de palmito na preparação da massa e é servida com recheios como o de camarão e o de carne-seca (R$ 40,00 cada porção com doze unidades). Provenientes da cervejaria Louvada, há chope pilsen (R$ 10,00; 300 mililitros), enquanto os estilos APA e IPA podem ser encontrados na geladeira (R$ 19,00 cada garrafa de 450 mililitros). Rua Traçaia, 280, Jardim Primavera, 3321-2437. (450 lugares). 17h/1h (sex. até 2h; sáb. 12h/0h; fecha dom. e seg.). Aberto em 1973.

Continua após a publicidade

Bar do Jarbas

O sucesso das festas e churrascos que promovia em casa levou Jarbas do Nascimento a abrir um bar no terreno ao lado e, de quebra, cursar uma faculdade de gastronomia para aprimorar suas habilidades culinárias. Nesta edição, além de ser apontado como o melhor boteco da cidade, o negócio que ele comanda com os sócios Ronan Peron e Giba Borges ganhou outros dois troféus. O de melhor cozinha é também mérito de Jarbas, responsável por quitutes como o pastel cuiabano (R$ 33,00, quinze unidades), recheado de carne moída, ovo cozido, azeitona e cheiro-verde. Mais reforçado, o revirado cuiabano, escoltado por arroz, ovo frito, farofa e salada de repolho, custa R$ 43,00, em porção para dois. Às terças, boa parte das receitas do menu entra no rodízio de comidinhas de boteco servido das 19h às 22h por R$ 23,90. Já a caipirinha vitoriosa sai das mãos do barman Fábio Cançado. A clássica, de limão e cachaça, deixa o balcão por R$ 13,00. Os predicados deste boteco de respeito se completam com a programação de música ao vivo, que inclui uma roda de samba nas tardes de sábado. Rua Desembargador Alírio Figueiredo, 190, Dom Aquino, 99969-7973 (180 lugares). 18h/0h (qui. e sex. até 1h; sáb. 16h/22h30; fecha dom. e seg.). Aberto em 2012.

Bar do Jorge

Jorge Conceição é o responsável pelo bar, aberto por seu pai. O público chega atraído pela cerveja gelada, como Brahma, Skol, Itaipava, Devassa (R$ 8,50 cada garrafa de 600 mililitros) e Heineken (R$ 12,00 a garrafa de 600 mililitros). Desde a inauguração da casa, o campeão de vendas é o bolinho de carne (R$ 4,00 a unidade), receita da mãe de Jorge que hoje é preparada por sua esposa, Inês Leite. Novidade no cardápio, os bolinhos de mandioca com carne-seca ou moída (R$ 25,00; doze unidades) prometem o mesmo sucesso. Rua General Teófilo Ribeiro de Arruda, 102, Duque de Caxias. 17h às 22h30 (fecha seg., sáb. e dom.). 160 lugares. Aberto em 2004.

Continua após a publicidade

Copo Sujo

Não se assuste, o nome do bar faz referência à borda do copo de cerveja, que pode vir suja com limão e sal. O título batiza também um dos petiscos da casa, um combo de batata frita, frango a passarinho e filé-mignon acebolado (R$ 29,90, para duas pessoas). Este último item pode ser substituído por costelinha suína frita. Tradição da casa, o espetinho de contrafilé (R$ 14,90) é um dos mais pedidos e vai à mesa em companhia de arroz, farofa, vinagrete e mandioca. Bem geladas, as cervejas em garrafa, caso da Budweiser (R$ 10,90) dividem as atenções com as versões long neck, a exemplo da Stella Artois (R$ 6,90). Avenida Governador José Fragelli, 423, Jardim Paulista, 2127–3083 (300 lugares). 16h/0h (sáb. até 22h; fecha dom.). Aberto em 1992.

Essência Cuiabana

O ambiente imita uma pequena vila, decorado com janelas e portas de casas antigas. Apesar de saírem pratos à la carte da cozinha, caso do medalhão de filé-mignon com bacon, molho branco, molho madeira, arroz com ervas e batata sautée (R$ 88,90, para duas pessoas), o rodízio de petiscos é o chamariz da casa. Por R$ 28,90 de terça a quinta e R$ 32,90 às sextas e sábados, são oferecidas receitas como frango a passarinho, bolinho de arroz e alcatra acebolada. Entre as bebidas, a caipirinha é feita com Velho Barreiro (R$ 15,90), enquanto a margarita frozen combina curaçau blue a tequila, limão e licor de laranja (R$ 25,90). Rua Marechal Mascarenhas de Moraes, 278-B, Duque de Caxias II, 3027-6627 (160 lugares). 17h/1h (fecha dom. e seg.). Aberto em 2015.

Continua após a publicidade

Fundo de Quintal

Basta adentrar a casa da família Herane para descobrir que se trata de um espaço na medida para casais. O corredor, estreito e pouco iluminado, descortina o quintal, com algumas aves, e, em seguida, o pátio aconchegante, pontuado por árvores e lamparinas coloridas. A edícula, decorada com móveis e objetos garimpados pelos proprietários, faz as vezes de balcão e caixa. Enquanto Edwin e Rafael Herane, pai e filho, cuidam do atendimento e do som ambiente — movido a MPB e samba de raiz, entre outros ritmos —, Nilzis, a mãe, reina na cozinha. O menu criado por ela tem fôlego de restaurante regional e lista pratos como o revirado, com arroz, dois ovos fritos e banana frita (R$ 65,00, para dois), e o maria-isabel, que traz farofa de banana e salada de alface, tomate e cebola (R$ 75,00, para dois). A costelinha de porco frita com mandioca cozida (R$ 37,00) e o croquete de mandioca misto, com recheios de carne e de queijo (R$ 35,00, dez unidades), são boas opções para dividir. Para bebericar enquanto se petisca ou bate papo ao pé do ouvido, há cerveja de garrafa (R$ 10,40 a Brahma) e uma enxuta carta de drinques. Entre os mais pedidos estão a caipirosca de maracujá (R$ 14,00) e a caipirinha de caju com cachaça Seleta (R$ 16,00), disponível somente na época da fruta. Rua Estevão de Mendonça, 1139, Quilombo, 99974-7742 (100 lugares). 18h/0h (fecha dom.). Aberto em 2006.

Lennon Bar

João Teixeira, mais conhecido como Lennon, sempre teve bares na cidade. Quando abriu este ponto, preparou um caldinho de feijão para receber os clientes. A prova de que a ideia deu certo é que até hoje, nove anos depois, o aperitivo aperfeiçoado com a adição de mocotó segue o maior sucesso da casa. A receita, que demora dois dias para ficar pronta, é despretensiosamente servida no copo americano (R$ 5,00) ou na cumbuca (R$ 8,50 a pequena e R$ 12,00 a grande) e chega à mesa guarnecida de pão francês. Para beber, a preferência da clientela recai sobre as garrafas de Brahma e Antárctica (R$ 5,50 cada uma). Rua 85, Quadra 17, Casa 17, CPA III, 99978-8404 (48 lugares). 9h30/22h (sáb. até 18h; dom. até 13h; fecha seg.). Aberto em 2009.  

Publicidade