Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CCXP 2017: a maior em público ainda não é a melhor do mundo

Evento chega a 4ª edição esperando 220.000 pessoas. Enquanto bate recorde de espectadores, feira pena para trazer bons convidados e materiais exclusivos

Em 2014, meia dúzia de atores coadjuvantes e alguns quadrinistas consagrados foram o suficiente para lotar a Comic Con Experience (CCXP) em sua primeira edição no Brasil. Na época, ela já arrebanhou 97.000 espectadores. O evento ocupou metade do pavilhão São Paulo Expo (antigo Expo Imigrantes) e recebeu como atração principal os atores Giancarlo Esposito e Jason Momoa — então parte do elenco de apoio de Breaking Bad e Game of Thrones, respectivamente. Apenas quatro anos mais tarde, a cidade se prepara para receber o maior público esperado para uma Comic Con no mundo, se consolidando como um relevante reduto de cultura pop e entretenimento.

A partir desta quinta-feira até o domingo, a convenção aguarda 220.000 pessoas — o equivalente a três estádios do Maracanã lotados. O evento viu saltos longos entre uma edição e outra. Da primeira para a segunda, o público cresceu 46%, deixando a estrutura do local insuficiente para uma boa circulação. Com a ampliação do espaço, agora o triplo de 2014, a CCXP conseguiu abrigar com mais conforto os 196.000 visitantes, outro crescimento notável de 40%. O número de pessoas que passarão pelos quatro dias do evento deve se estabilizar — mas já ostenta um marco maior que a principal feira do tipo, a Comic Con de San Diego, com capacidade para 130.000 pessoas.

Mais paulatina é a melhora na qualidade dos painéis e celebridades. Este ano, se destacam como convidados de luxo a ganhadora do Oscar Alicia Vikander, o queridinho Will Smith, e a atriz Danai Gurira (a Michonne de The Walking Dead). Ídolos teen, como Nick Jonas e Dylan O’Brien (Maze Runner), completam o pacote que ainda precisa ganhar muitos músculos para competir com a popular edição americana, espaço disputado por grandes estúdios para lançar novidades e materiais exclusivos.

Mas nem só de celebridades vive a Comic Con Experience. Cerca de 140 marcas de vestuário, decoração, objetos colecionáveis e editoras estarão divididas em 120 estandes no evento, ocupando cerca de 115m². O evento também organiza um concurso anual de cosplay, fantasia de personagens de alguma série, filme ou quadrinho. A expectativa é que a feira movimente em torno de 50 milhões de reais na cidade, entre mercado hoteleiro e consumo, segundo informações da VEJA SP.

Segundo a diretora de marketing da Lupo, Carolina Pires, o evento é uma via de mão dupla para a empresa: “Nós estamos aqui para apresentar a linha 2017, e também buscar conhecer melhor o público geek”. A marca investiu cerca de 450.000 reais em sua participação na convenção, que conta com um estande de venda de meias personalizadas. “Esperamos, antes de mais nada, um impacto de imagem, o lucro com a venda é um bônus”, explica ela.

O evento surgiu nos Estados Unidos na década de 1970, em San Diego, na Califórnia, e logo se tornou o principal polo de difusão de entretenimento e cultura pop. Depois de três edições no Brasil, em São Paulo, a Comic Con ganhou uma versão no Nordeste em 2017, na cidade de Recife, em Pernambuco. Os ingressos para a Comic Con Experience 2017 variaram entre 99,99 reais, o mais básico, até 6.999,99, que dá acesso à feira na quarta-feira a noite, antes do público geral. Os ingressos para sábado e o pacote completo para os quatro dias estão esgotados.