Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bar do Jarbas tem a melhor cozinha de bar de Cuiabá

Casa também saiu vencedora como Melhor Boteco e Melhor Caipirinha em VEJA COMER & BEBER CUIABÁ 2018/2019

Por Mirela Mazzola - Atualizado em 18 Feb 2019, 15h58 - Publicado em 27 Apr 2018, 01h00

O sucesso das festas e churrascos que promovia em casa levou Jarbas do Nascimento a abrir um bar no terreno ao lado e, de quebra, cursar uma faculdade de gastronomia para aprimorar suas habilidades culinárias. Nesta edição, além de ser apontado como o melhor boteco da cidade, o negócio que ele comanda com os sócios Ronan Peron e Giba Borges ganhou outros dois troféus. O de melhor cozinha é também mérito de Jarbas, responsável por quitutes como o pastel cuiabano (R$ 33,00, quinze unidades), recheado de carne moída, ovo cozido, azeitona e cheiro-verde. Mais reforçado, o revirado cuiabano, escoltado por arroz, ovo frito, farofa e salada de repolho, custa R$ 43,00, em porção para dois. Às terças, boa parte das receitas do menu entra no rodízio de comidinhas de boteco servido das 19h às 22h por R$ 23,90. Já a caipirinha vitoriosa sai das mãos do barman Fábio Cançado. A clássica, de limão e cachaça, deixa o balcão por R$ 13,00. Os predicados deste boteco de respeito se completam com a programação de música ao vivo, que inclui uma roda de samba nas tardes de sábado. Rua Desembargador Alírio Figueiredo, 190, Dom Aquino, 99969-7973 (180 lugares). 18h/0h (qui. e sex. até 1h; sáb. 16h/22h30; fecha dom. e seg.). Aberto em 2012.

Confira os segundo e terceiro colocados:

2º lugar: Chuvisco

Eleita a melhor em sua categoria na última edição de VEJA Comer & Beber, esta espetaria é uma das mais tradicionais da cidade. Fundada há 28 anos, funciona sob a batuta da catarinense Maria Madalena Minetto e do cuiabano Marco Musis. Ali, a clientela se acomoda no amplo salão para provar os petiscos que saem de duas grandes churrasqueiras, entre eles o espeto de filé bovino com bacon (R$ 23,80). Campeã de pedidos, a picanha fatiada é servida em porções para duas pessoas e preparada em seis versões, entre elas a tradicional (R$ 59,00) e a com alho (R$ 61,00). Para matar a sede, são imbatíveis as garrafas de cerveja Brahma (R$ 8,90) e Original (R$ 10,50). Avenida Senador Filinto Müller, 1661, Quilombo, 3621-1128 (240 lugares). 18h/0h (sáb. 11h/23h; fecha dom. e seg.). Aberto em 1990.

Continua após a publicidade

3º lugar: Fundo de Quintal

Basta adentrar a casa da família Herane para descobrir que se trata de um espaço na medida para casais. O corredor, estreito e pouco iluminado, descortina o quintal, com algumas aves, e, em seguida, o pátio aconchegante, pontuado por árvores e lamparinas coloridas. A edícula, decorada com móveis e objetos garimpados pelos proprietários, faz as vezes de balcão e caixa. Enquanto Edwin e Rafael Herane, pai e filho, cuidam do atendimento e do som ambiente — movido a MPB e samba de raiz, entre outros ritmos —, Nilzis, a mãe, reina na cozinha. O menu criado por ela tem fôlego de restaurante regional e lista pratos como o revirado, com arroz, dois ovos fritos e banana frita (R$ 65,00, para dois), e o maria-isabel, que traz farofa de banana e salada de alface, tomate e cebola (R$ 75,00, para dois). A costelinha de porco frita com mandioca cozida (R$ 37,00) e o croquete de mandioca misto, com recheios de carne e de queijo (R$ 35,00, dez unidades), são boas opções para dividir. Para bebericar enquanto se petisca ou bate papo ao pé do ouvido, há cerveja de garrafa (R$ 10,40 a Brahma) e uma enxuta carta de drinques. Entre os mais pedidos estão a caipirosca de maracujá (R$ 14,00) e a caipirinha de caju com cachaça Seleta (R$ 16,00), disponível somente na época da fruta. Rua Estevão de Mendonça, 1139, Quilombo, 99974-7742 (100 lugares). 18h/0h (fecha dom.). Aberto em 2006.

Publicidade