Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

USP fecha parcerias e terá unidades de centros internacionais de pesquisa

Projeto de “internacionalização em casa” contará com quatro instituições operando nos campus da universidade em 2024

Por Marília Monitchele Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
9 out 2023, 16h00

A Universidade de São Paulo (USP) vem trabalhando em um projeto de “internacionalização em casa” e estabelecendo parcerias com os maiores institutos de pesquisas do mundo. As novidades são as tratativas para a instalação de uma unidade do Instituto Max Planck, uma das mais prestigiosas sociedades científicas internacionais, até 2024. O Max Planck coordena 85 instituições na Alemanha, seu país sede, e no exterior. Os institutos associados são independentes na seleção e na condução de suas atividades. A qualidade da produção científica, no entanto, deve atender aos critérios de excelência da sociedade e passam por avaliações regulares. 

Os diferentes institutos Max Planck ao redor do mundo realizam pesquisas nas áreas de ciências naturais, sociais e humanas. Na USP, o centro a ser instalado se voltará para os temas ligados à saúde do planeta. As duas instituições preparam um projeto de adesão a ser apresentado em fevereiro do próximo ano. Com a concretização do acordo, o Max Planck será o quarto instituto internacional a chegar na USP desde o início da última gestão administrativa.

A universidade também fechou parcerias com o Instituto Pasteur, com pesquisas voltadas para a saúde humana, com o Centro internacional para Engenharia Genética e Biotecnologia (ICGEB, na sigla em inglês), com projetos focados em oncologia de precisão, além do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS, na sigla em francês), principal instituição pública de pesquisa da França, que terá estudos voltados para sete diferentes áreas, incluindo ciências humanas, tecnológicas e agrárias. 

As parcerias devem, por ora, se encerrar por aqui. “Fechados estes acordos, nosso objetivo passa a ser aprofundar as relações com estas instituições e investir na produção científica que estes convênios nos proporcionam”, diz o reitor Carlos Gilberto Carlotti Júnior, que destaca que os acordos inauguram um novo período de internacionalização na instituição. 

Continua após a publicidade

A “internacionalização em casa” feita na USP, com o estabelecimento de parcerias internacionais que acontecem sem a necessidade dos alunos e pesquisadores saírem do Brasil, pode ser uma alternativa benéfica para a produção científica nacional, abrindo a possibilidades para a implementação de duplos diplomas, a vinda de professores estrangeiros, a criação de laboratórios com financiamentos conjuntos e a troca de experiências científicas.

 Além disso, as parcerias podem ser uma resposta à fuga de cérebros, processo caracterizado pela saída de profissionais extremamente qualificados em busca de melhores condições de emprego e renda, que afeta profundamente as instituições de ensino superior. “Essa não é a solução definitiva para o problema, mas é possível observar impactos nesse sentido”, afirma Carlotti. “Vemos muitos pesquisadores que decidiram sair e acabam voltando com a instalação desses institutos e com a possibilidade de fazerem carreiras internacionais sem sair do Brasil”.

Recentemente, o reitor também assinou um convênio de duplo diploma envolvendo a Universidade de Lyon e a Faculdade de Direito (FD), com a possibilidade de estender o programa para a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), a Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária (FEA) e a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP). Também foi renovado o acordo de duplo diploma na área de Letras da instituição francesa com a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.