Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Na Unifesp, cotistas e não cotistas têm média igual

Cotistas tiveram média 1,26% inferior a dos não cotistas em 2012. No campus de Santos, a média dos cotistas foi 8,71% superior a dos demais colegas

Por Da Redação 19 Maio 2013, 15h34

Os alunos cotistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) tiveram média 0,06 ponto (em uma escala de zero a dez) inferior à dos não cotistas em 2012 – diferença de apenas 1,26%. A distância entre as notas foi maior no câmpus da capital (6,65%), onde funcionam cursos como Medicina e Enfermagem. Na Baixada Santista, por outro lado, o desempenho dos beneficiários da política afirmativa foi 8,71% superior ao dos demais colegas.

O levantamento, feito pela Pró-Reitoria de Graduação, leva em conta a média ponderada de todos os 9.671 estudantes matriculados em 2012. Desses, 669 (7,22%) eram cotistas. Neste ano, a instituição guardou 15% das vagas dos processos seletivos para quem cursou o ensino médio na rede pública. A reserva crescerá até atingir 50% em 2016, como prevê a Lei de Cotas.

Diferentemente da atual legislação, a política adotada pela Unifesp de 2005 a 2012 não considerava o critério renda. Do total de vagas abertas anualmente, 10% eram reservadas para candidatos que se autodeclaram pretos, pardos ou indígenas e haviam cursado o ensino médio em escolas públicas. “A concorrência entre esse grupo de alunos era bem superior à do sistema universal”, diz a pró-reitora Maria Angélica Minhoto. “Isso teve como consequência a supersseleção de ingressantes cotistas, o que possivelmente favoreceu a existência de condições similares para o desempenho acadêmico.”

Leia também:

Dilma sanciona nova lei das cotas nas federais

O drama de estudantes – e famílias – afetados pelas cotas

SP lança programa de cotas para USP, Unesp e Unicamp

Continua após a publicidade

‘Cota não resolve problema da educação. Ela cria ilusão’

Lei sancionada em agosto pela presidente Dilma Rousseff determina que até 2016 metade das vagas das federais de ensino superior seja ocupada por ex-alunos da rede pública. Dessas, metade estará guardada para estudantes com renda familiar igual ou inferior a 1,5 salário mínimo por pessoa (1.017 reais). Haverá ainda uma espécie de subcota para a soma de pretos, pardos e indígenas, conforme a distribuição desse grupo na população de cada estado – em São Paulo, esta taxa é de 35%.

Maria Angélica acredita que a adequação à lei vai alterar significativamente o perfil dos alunos, principalmente nos cursos mais concorridos. “Serão exigidos esforços adicionais e já estamos negociando e cobrando do Ministério da Educação mais recursos materiais e humanos para enfrentar questões relativas à permanência estudantil.”

Segundo a vice-presidente da Associação dos Docentes da Unifesp (Adunifesp), Virginia Junqueira, a pesquisa mostra que o cotista “se esforça tremendamente para acompanhar o curso”. Para ela, os professores terão de se adaptar à chegada de mais alunos da rede pública. Segundo o professor do Departamento de Microbiologia, Imunobiologia e Parasitologia Renato Mortara, haverá queda no nível acadêmico dos alunos. “Essa diferença de notas me preocupa e tende a crescer.”

Santos – Na Unifesp, o câmpus da Baixada Santista é o único no qual os alunos cotistas têm desempenho superior ao dos não cotistas. Lá, a diferença de notas chega a 8,71%. Essa também é a unidade com menos estudantes beneficiados pela política afirmativa: só 80 dos 1.523 matriculados em 2012 (5,25% do total). Em Santos, funcionam sete cursos: Educação Física, Fisioterapia, Nutrição, Psicologia, Serviço Social e Terapia Ocupacional, além do bacharelado interdisciplinar em Ciência do Mar.

Para a fisioterapeuta e professora Stella Peccin, que dá aulas em todos os cursos da unidade, os bons resultados são fruto do estímulo ao cotistas. “Usamos meios e projetos para que os estudantes se sintam estimulados a buscar informação e trabalhar em grupo, dissolvendo dessa forma eventuais dúvidas”, diz. “Buscamos sempre equacionar o padrão para mais, nunca para menos.”

Segundo cotistas ouvidos pela reportagem, passar no vestibular é mais difícil do que acompanhar o curso. Aluno do último ano de Psicologia, Carlos Eduardo Costa, de 27 anos, diz que chegou “defasado” para a seleção. “Mas, quando entrei na universidade, notei que outros colegas tinham dúvidas em algumas disciplinas iguais às minhas. Ter dificuldade não é algo exclusivo de cotista.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade