Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ação cobra acesso às redações do Enem desde a divulgação das notas

Para o procurador Oscar Costa Filho, regra atual prejudica o aluno

Por Victor Bonini
23 jul 2013, 20h18

Foi protocolada nesta terça-feira uma ação civil pública contra o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) exigindo que os espelhos das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) possam ser livremente acessados pelos candidatos desde o dia da divulgação dos resultados da prova. A cobrança é do procurador Oscar Costa Filho, do Ministério Público Federal (MPF), que já apresentou outras ações contra o Inep antes, entre elas o pedido de anulação do Enem de 2011.

Leia também:

Enem: redações debochadas expõem fragilidade do sistema de correção

MEC endurece regras de correção do Enem

O edital do Enem 2013, lançado pelo Ministério da Educação (MEC) em maio, diz que o acesso ao espelho da redação será concedido somente sob solicitação e para objetivos pedagógicos – ou seja, o aluno não poderá fazer reclamações quanto à correção. Esses critérios seguem o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) criado em 2011 em acordo entre o MEC e o MPF.

Continua após a publicidade

“A regra atual tira do aluno seu direito de defesa e, portanto, é inconstitucional”, afirma Costa Filho. “Quer dizer, o aluno recebe a nota, que às vezes é injusta, e não pode questioná-la porque não tem o espelho da redação. São tirados dele todos os meios de contestar.” O procurador também diz que o governo não tem como garantir que as sete milhões de redações serão criteriosamente avaliadas. “Prova disso são as notas dadas às redações com receita de macarrão instantâneo e com hino de clube de futebol no Enem 2012.”

Além disso, Costa Filho afirma que a ação está sendo apresentada em julho para que não atrapalhe o calendário do Enem. “Agimos com antecedência para que não sejamos acusados de comprometer nem a prova nem as matrículas do Sistema de Seleção Unificada (Sisu)”, diz. “Queremos resolver o problema na sua origem: a regra do edital.”

O Inep informou em comunicado que ainda não foi notificado sobre a ação, mas irá recorrer. A nota ainda ressalta que o TAC já viabilizou “o direito de vistas de provas a todos os participantes, com recursos de ofícios, como caráter meramente pedagógico, após a divulgação dos resultados. Portanto, o Inep seguirá buscando garantir a isonomia a todos os candidatos”. O juiz responsável pelo caso deve ouvir o Inep dentro de 72 horas e tomar uma decisão, da qual a parte perdedora poderá recorrer.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.