Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Transações correntes têm maior déficit para o semestre

Contudo, o déficit de junho, de US$ 3,953 bi em junho, é o menor desde setembro do ano passado

Por Da Redação
23 jul 2013, 13h42

O Brasil registrou em 2013 o maior déficit em transações correntes – que é o resultado de todas as operações do Brasil com o exterior, tanto receitas quanto despesas – para o primeiro semestre desde o início da série histórica, em 1947.

As informações foram divulgadas na manhã desta terça-feira pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel. Entre janeiro e junho, o saldo da conta corrente ficou negativo em 43,478 bilhões de dólares, o equivalente a 3,82% do Produto Interno Bruto (PIB). No acumulado dos últimos 12 meses até junho, o saldo está negativo em 72,465 bilhões de dólares, o que representa 3,17% do PIB.

Por outro lado, o déficit registrado em junho, de 3,953 bilhões de dólares, é o menor rombo desde setembro do ano passado. O resultado ficou abaixo do intervalo previsto por economistas, que apontavam déficit entre 4,2 bilhões e 6,1 bilhões de dólares.

Leia também:

Dólar não intimida e brasileiros gastam 15% a mais no exterior em junho

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

De acordo com o BC, a conta de rendas ficou negativa em 3,242 bilhões de dólares no mês. A de serviços, negativa em 3,287 bilhões de dólares. Essas saídas de recursos foram parcialmente compensadas pelo superávit comercial de 2,301 bilhões de dólares e pelas transferências unilaterais positivas em 274 milhões de dólares.

Leia também:

Déficit da balança no 1º semestre é o maior em 18 anos

Dólar não intimida e brasileiros gastam 15% a mais no exterior em junho

Investimentos – Os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) somaram 7,170 bilhões de dólares, resultado que também veio melhor do que o esperado. Economistas calculavam IED de 5,5 bilhões de dólares. Entre janeiro e junho, esse valor ficou em 30,027 bilhões de dólares, pouco acima dos 29,730 bilhões de dólares do primeiro semestre de 2012.

De modo geral, a conta corrente tem sido afetada pela fraca balança comercial no país que, no primeiro semestre, registrou saldo negativo de 3,092 bilhões de dólares. Também têm pesado as remessas de lucros e dividendos de multinacionais instaladas no país, que entre janeiro e junho passados somaram 14,101 bilhões de dólares, 41,28% a mais do que a primeira metade de 2012.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.