Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Taxa de desemprego cai para 4,9% em setembro

O IBGE ficou três meses sem divulgar os dados da pesquisa devido à greve de servidores. Em agosto, nível de desocupação era de 5%

Por Da Redação
23 out 2014, 08h19

A taxa de desemprego brasileira fechou setembro em 4,9%, pouco abaixo do nível de desocupação visto em agosto, de 5%. Esta é a menor taxa para meses de setembro desde o início da série histórica, em 2002. Em setembro de 2013, a taxa estava em 5,4%. Analistas ouvidos pela agência Reuters esperavam que a taxa de desemprego atingisse 5,1% em setembro na mediana de 29 projeções, que foram de 4,9 a 5,3%.

A migração de pessoas para a inatividade ajudou na queda do indicador. Na comparação com setembro do ano passado, o número de inativos subiu 3,7%, o equivalente a 690 mil pessoas a mais na inatividade. São inativas as pessoas que não tinham trabalho e não tomaram nenhuma providência para encontrá-lo na semana anterior à da pesquisa.

O IBGE divulgou neste ano três pesquisas seguidas com dados incompletos devido à greve de servidores. A paralisação durou 79 dias e terminou apenas em meados de agosto. Com o atraso na coleta e apuração das informações referentes às regiões de Porto Alegre e Salvador, a publicação só foi normalizada na PME divulgada mês passado. O IBGE trabalha para substituir a PME pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, mais abrangente.

Leia mais:

Seguro-desemprego deverá ser preenchido pela internet em 2015

O mercado de trabalho começa a sentir o baque

Banco Central: redução do desemprego no Brasil não é sustentável

Continua após a publicidade

A população desocupada somou 1,2 milhão de pessoas em setembro, praticamente a mesma de agosto, mas 10,9% menor do que a vista um ano antes. Já o contingente de ocupados (23,1 milhões de pessoas) manteve-se estável na comparação mensal e anual. Os desocupados incluem tanto os empregados temporários dispensados quanto desempregados em busca de uma chance no mercado de trabalho. O número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado (11,7 milhões) também mostrou estabilidade em ambas as comparações.

Salário – Segundo o IBGE, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores passou de 2.064,82 reais em agosto para 2.067,10 reais em setembro. No nono mês de 2013, o salário médio era de 2.035,62 reais – 1,5% menor do que em 2014.

Taxa dedesemprego

IBGE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.