Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Taxa de desemprego cai para 4,9% em setembro

O IBGE ficou três meses sem divulgar os dados da pesquisa devido à greve de servidores. Em agosto, nível de desocupação era de 5%

A taxa de desemprego brasileira fechou setembro em 4,9%, pouco abaixo do nível de desocupação visto em agosto, de 5%. Esta é a menor taxa para meses de setembro desde o início da série histórica, em 2002. Em setembro de 2013, a taxa estava em 5,4%. Analistas ouvidos pela agência Reuters esperavam que a taxa de desemprego atingisse 5,1% em setembro na mediana de 29 projeções, que foram de 4,9 a 5,3%.

A migração de pessoas para a inatividade ajudou na queda do indicador. Na comparação com setembro do ano passado, o número de inativos subiu 3,7%, o equivalente a 690 mil pessoas a mais na inatividade. São inativas as pessoas que não tinham trabalho e não tomaram nenhuma providência para encontrá-lo na semana anterior à da pesquisa.

O IBGE divulgou neste ano três pesquisas seguidas com dados incompletos devido à greve de servidores. A paralisação durou 79 dias e terminou apenas em meados de agosto. Com o atraso na coleta e apuração das informações referentes às regiões de Porto Alegre e Salvador, a publicação só foi normalizada na PME divulgada mês passado. O IBGE trabalha para substituir a PME pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, mais abrangente.

Leia mais:

Seguro-desemprego deverá ser preenchido pela internet em 2015

O mercado de trabalho começa a sentir o baque

Banco Central: redução do desemprego no Brasil não é sustentável

A população desocupada somou 1,2 milhão de pessoas em setembro, praticamente a mesma de agosto, mas 10,9% menor do que a vista um ano antes. Já o contingente de ocupados (23,1 milhões de pessoas) manteve-se estável na comparação mensal e anual. Os desocupados incluem tanto os empregados temporários dispensados quanto desempregados em busca de uma chance no mercado de trabalho. O número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado (11,7 milhões) também mostrou estabilidade em ambas as comparações.

Salário – Segundo o IBGE, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores passou de 2.064,82 reais em agosto para 2.067,10 reais em setembro. No nono mês de 2013, o salário médio era de 2.035,62 reais – 1,5% menor do que em 2014.

Taxa dedesemprego

IBGE