Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Produzir no país está caro, diz presidente da Natura

Empresa começou a produzir fora do país em busca de melhores custos

Por Da Redação 24 fev 2011, 16h17

O diretor-presidente da Natura, Alessandro Carlucci, considera que está muito caro produzir no Brasil. “O custo Brasil, que engloba câmbio e tributos, está muito alto”, disse Carlucci em entrevista à imprensa. Ele ressaltou que 40% da receita líquida da companhia no País vai para pagamento em tributos.

“Na comparação com os últimos anos, está mais caro produzir no Brasil”, afirmou. Carlucci ponderou que essa percepção não foi o principal motivador para a companhia resolver produzir via terceiros nos países em que atua. No ano passado, a Natura começou a produzir localmente seus produtos na Argentina. Neste ano, sem período definido, terá início a produção no México (xampu) e Colômbia (maquiagens, sabonetes e creme).

“O principal motivador para a produção local é o bom momento em escala que estamos. Além disso, isso nos gera menor custo, menor impacto ambiental e maior flexibilidade em termos de logística e distribuição”, afirmou o diretor presidente.

Sobre um eventual impacto negativo nas vendas por conta do avanço da taxa da inflação brasileira, Carlucci acredita que esse quadro não deverá reverter o crescimento do consumo da população. “Pode ter alguma pequena desaceleração, mas não que seja dramático. As mulheres, por exemplo, não deixam de comprar nossos produtos mesmo em época de crise e inflação”, afirmou.

Reajuste – O vice-presidente Jurídico e de Finanças da Natura, Roberto Pedote, afirmou hoje que, neste mês, a empresa aumentou os valores de seus itens em 5%, em média. “Acreditamos que será o único reajuste no ano”, disse a jornalistas. No ano passado, no mesmo período, a companhia também aumentou seus preços no mesmo porcentual, avaliando a questão dos custos e o movimento de mercado.

Sobre um eventual avanço no custo de produção, principalmente por um incremento na cotação do petróleo, de onde provêm alguns dos insumos utilizado na fabricação de seus produtos, Pedote acredita que, por enquanto, esse assunto está controlado. “Imaginamos que esse aumento de preço está compatível com o incremento de custos que esperamos para o ano”, declarou.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)