Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Presidente da Apple vê decisão da UE como “total lixo político”

Empresa terá de pagar 13 bilhões de euros em impostos mais juros ao governo irlandês por redirecionamento de lucros

Por Da redação 1 set 2016, 10h01

A imposição pela União Europeia de uma conta de 13 bilhões de euros em impostos atrasados contra a Apple é “total lixo político”, afirmou o presidente-executivo da companhia, Tim Cook, em entrevista ao jornal Irish Independent publicada nesta quinta-feira.

Na terça-feira, a comissária de defesa da concorrência da UE, Margrethe Vestager, questionou como alguém pode pensar que seria justo um acordo que permitiu à Apple pagar uma taxa de imposto de 0,005%, como aconteceu com a unidade irlandesa da Apple em 2014.

As autoridades da União Europeia mandaram a gigante de tecnologia pagar o equivalente a 64,93 bilhões de reais em impostos mais juros ao governo da Irlanda depois de uma decisão em que considerou como ilegal um esquema em que a empresa redirecionava lucros pelo país europeu.

A Apple, que junto com a Irlanda vai apelar da decisão, pagou impostos sobre lucros europeus de vendas de iPhones e outros produtos e serviços por um período de 11 anos, entre 0,005%, em 2014, e 1%, em 2003, afirmou a comissão.

De acordo com Margrethe, a Irlanda concedeu benefícios ilegais para a Apple que permitiram à empresa pagar substancialmente menos imposto que outras empresas ao longo de muitos anos.

“Eles apenas usaram um número que não sei de onde saiu”, disse Cook ao Irish Independent, estimando que a taxa média anual de impostos sobre o lucro da Apple é de 26%.

Continua após a publicidade

Cook afirmou que ele vai acompanhar de perto o trabalho para derrubar a decisão da UE, classificada por ele como “sem base na lei ou em fatos”. A condenação é de longe a maior pena em casos de defesa da concorrência imposta sobre uma companhia pela UE.

“Ninguém fez nada de errado aqui e precisamos ficar juntos. A Irlanda está sendo alvo e isso é inaceitável”, disse Cook ao jornal, acrescentando que um viés contrário a multinacionais dos Estados Unidos pode ter motivado a pena imposta pela UE. “Eu acho que (o sentimento antiamericano) é uma razão do porquê fomos feitos de alvo”, afirmou.

Leia também:
Presidente da Apple vende US$ 36 milhões em ações da empresa
Barbra Streisand quer ensinar Siri, da Apple, a dizer seu nome

Em outra entrevista, a uma rádio, o executivo prometeu ampliar os pagamentos de impostos da Apple ao repatriar bilhões de dólares em lucros globais para os Estados Unidos em 2017.

“Pagamos 400 (milhões de dólares) à Irlanda (em 2014), pagamos 400 aos EUA e provisionaremos vários bilhões de dólares para os EUA como pagamento assim que repatriarmos isso, e eu estimo que a repatriação vai ocorrer no próximo ano”, disse Cook à rádio RTE.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade