Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

PIB da China despenca 6,8% no 1º tri e mostra devastação do coronavírus

É a primeira vez desde 1992, quando os dados passaram a ser divulgados, que a economia do país recua

Por da Redação
Atualizado em 17 abr 2020, 11h13 - Publicado em 17 abr 2020, 08h16

Os resultados da pandemia do novo coronavírus na China, epicentro inicial da doença, começam a aparecer. Segundo o governo do país, a economia derreteu 6,8% no primeiro trimestre deste ano, comparado com o mesmo período do ano passado. Foi a primeira vez desde 1992, quando os resultados econômicos passaram a ser divulgados no país, que houve recuo no Produto Interno Bruto (PIB).

Na comparação com o trimestre anterior, o PIB caiu 9,8% nos três primeiros meses do ano, No último trimestre de 2019, o crescimento da segunda maior economia do mundo foi de 6% na comparação com o mesmo período de 2018.

Para tentar conter o avanço da epidemia, o país fechou fábricas, escolas e comércios, proibiu voos e isolou completamente a cidade epicentro da doença, Whuan. As medidas drásticas de isolamento no primeiro trimestre — principalmente entre o fim de janeiro e durante o mês de fevereiro — refletiram no resultado da produção econômica. A queda na produção chinesa afeta economias mundiais, já que muitos países compram produtos e componentes chineses. No caso dos equipamentos de produção individual (EPIs), por exemplo, o país concentra 90% da produção.

“Os dados do PIB do primeiro trimestre ainda estão amplamente dentro das expectativas, refletindo as perdas da paralisação econômica quando toda a sociedade estava isolada”, disse Lu Zhengwei, economista-chefe do Industrial Bank.

Após os lockdowns, a economia do país tenta se ativar. Nos dados divulgados, o governo chinês informou que houve uma queda de 1,1% em março, menor do que a esperada na produção industrial de março, sugerindo que o alívio tributário e de crédito para empresas afetadas pelo vírus está ajudando a retomar partes da economia fechadas desde fevereiro.

O porta-voz da agência de estatísticas, Mao Shengyong, disse em entrevista à imprensa que o desempenho econômico da China no segundo trimestre deve ser muito melhor do que no primeiro. Entretanto, o consumo doméstico mais fraco, que tem sido o grande motor do crescimento, continua sendo uma preocupação já que a renda desacelera e o resto do mundo cai em recessão.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana. ()
Clique e Assine

“Para a próxima fase, a falta de demanda geral é a preocupação. A demanda doméstica não se recuperou totalmente uma vez que o consumo relacionado aos agrupamentos sociais ainda está proibido enquanto a demanda externa deve ser prejudicada enquanto a pandemia se espalha”, diz a economista do Industrial Bank.

Resgate

Os líderes chineses já prometeram mais medidas para combater as perdas mas estão cientes das lições aprendidas em 2008 e 2009, durante a crise financeira mundial, quando fortes estímulos pressionaram a economia com enormes dívidas.

No mês passado, o Partido Comunista disse que está avaliando medidas como mais títulos especiais de governos locais e bônus especiais do Tesouro.

O banco central já afrouxou a política monetária para ajudar a liberar crédito para a economia, mas seu afrouxamento até agora tem sido menos agressivo do que durante a crise financeira.

O governo também contará com mais estímulo fiscal para alimentar o investimento em infraestrutura e consumo, o que pode levar o déficit orçamentário de 2020 a uma máxima recorde. Para 2020, a expectativa é de que o crescimento econômico da China caia para 2,5%, ritmo anual mais lento em quase meio século, segundo pesquisa da Agência Reuters.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.