Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Petrobras não prevê reajuste de combustíveis, afirma diretor

Diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino, afirma que estatal "monitora permanentemente" condições de mercado para decidir quando mexerá nos valores

Por Da redação
12 ago 2016, 14h53

A Petrobras não tem previsão de fazer um reajuste de preços dos combustíveis no momento, segundo o diretor de Refino e Gás Natural da empresa, Jorge Celestino. Mas, de acordo com o executivo, a estatal tem mantido a prática de avaliar a garantia de que pratica preços competitivos, de participação no mercado e, na medida em que for necessário mexer nos valores, a decisão será tomada.

“Por enquanto, o cenário não está muito claro (…) Permanentemente a gente monitora os fundamentos de mercado e olha market share (participação no mercado) versus preços de mercado. Na hora em que precisar tomar uma decisão, a gente vai tomar”, disse Celestino.

Leia mais:
Etanol: fim das desonerações deve render R$ 1,5 bi em 2017

O diretor financeiro e de relacionamento com investidores da Petrobras, Ivan Monteiro, explicou que o lucro líquido de 370 milhões de reais registrado pela companhia no segundo trimestre de 2016 ficou abaixo das expectativas de mercado porque as previsões não levaram em conta o impairment (ajuste de desvalorização de ativos) do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), o provisionamento para o Programa de Demissão Voluntária (PDV) e a devolução de campos à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Continua após a publicidade

O número é positivo em relação aos três primeiros meses de 2016, quando a estatal registrou prejuízo de 1,2 bilhão de reais. “Esses três fatos mais do que justificam a diferença em relação à média apontada pelos analistas”, disse o diretor da Petrobras. A companhia permanece na busca de parceiros para os projetos do Comperj e, segundo o diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino, até o momento, a estatal gastou no empreendimento cerca de 13,5 bilhões de dólares.

(Com Agência Brasil)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.