Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

OCDE vê melhora na economia mundial, inclusive Brasil

Pontuação foi a maior para os membros desde março de 2011. Entre emergentes, Brasil subiu de 98,5 pontos para 98,6

A Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) identifica melhora na economia dos países desenvolvidos, especialmente devido à zona do euro. Segundo relatório mensal da organização, a expectativa para o crescimento econômico de seus 33 membros atingiu o maior nível desde março de 2011, ao registrar 100,9 pontos em novembro, ante 100,7 pontos em outubro.

De acordo com essa pesquisa, o ritmo de crescimento deve aumentar nos próximos meses em países como Estados Unidos e Japão, além da zona do euro. Os emergentes também devem experimentar uma expansão mais robusta no início de 2014, incluindo o Brasil. No caso brasileiro, o índice subiu para 98,6 pontos em novembro, ante 98,5 em outubro. A marca de 100 pontos indica que o crescimento está em linha com o visto nos últimos anos.

“O índice composto de indicadores antecedentes continua a mostrar sinais de uma melhora nas projeções na maioria das economias avançadas”, diz a OCDE.

Leia mais:

OCDE aponta melhora no cenário das principais economias

OCDE sugere que Brasil melhore gestão de contas públicas

A zona do euro teve um dos melhores desempenhos. Segundo a OCDE, a região passou por uma “mudança positiva no ímpeto”, especialmente nas três maiores economias do bloco – Alemanha, França e Itália. O indicador do bloco passou de 100,8 pontos para 101,0 pontos. Já os Estados Unidos, maior economia do mundo, acelerou de 100,9 para 101,0 pontos entre outubro e novembro.

Da mesma forma, o indicador da economia japonesa, impulsionada pelos estímulos do banco central no ano passado, também subiu para 101,4 pontos, após registrar 101,2 em outubro.

Em desenvolvimento – Em outro emergente, a China, também houve crescimento nas perspectivas, com o indicador passando de 99,3 para 99,4 pontos. Uma das poucas exceções à melhora global é a Índia, cujo índice permaneceu estagnado em 97,5 pontos em novembro, indicando um crescimento abaixo da tendência. Na Rússia, o índice também ficou estável, mas em 99,6 pontos, o que mostra crescimento em linha com a tendência.

O indicador da OCDE é desenvolvido para fornecer tendências sobre possível expansão ou desaceleração da atividade econômica de membros.

(com agência Reuters)