Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Meirelles: se projeto do teto de gastos mudar, ‘será para melhor’

Ministro da Fazenda tentou minimizar o recuo em relação ao compromisso de redução de gastos públicos

Apesar de o governo estar efetivamente estudando a flexibilização da regra que define o que é despesa de pessoal dentro do projeto de lei de socorro aos Estados, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tentou minimizar o recuo em relação ao compromisso de redução de gastos públicos. Ele afirmou nesta terça-feira que qualquer mudança que vier a ser feita “será para melhor”.

“As mudanças, se houver, serão mudanças para melhor, para o projeto ficar mais consistente. Nós não podemos é perder de vista a finalidade última, que é o controle da evolução das despesas públicas”, disse, após encontro com o presidente em exercício, Michel Temer, e depois de conversas com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).

Para tentar garantir no Congresso a aprovação da matéria, o governo concordou com o apelo dos líderes na Câmara dos Deputados e retirou do cálculo da folha salarial os gastos com terceirização, indenizações, auxílios e despesas de exercícios anteriores de categorias de funcionários públicos. Nesta terça, em, nova concessão, o governo aceitou incluir servidores das assembleias legislativas no grupo que ficará fora do limite da nova regra fiscal.

Ao ser questionado sobre se uma das propostas avaliadas é criar um teto para gastos com pessoal de outros poderes, Meirelles afirmou que o que foi acordado na PEC é que assim como o teto dos gastos para o governo federal também haja teto para os Estados. “Só isso. Não se está, no momento, discutindo questões relativas à lei da responsabilidade fiscal”, afirmou, ressaltando que é preciso evitar “conclusões precipitadas”. “O processo está em andamento cada vez mais visando manter a segurança do processo, que, de fato, se faça um controle da evolução das despesas públicas e a isso não há mais detalhes”, disse.

Leia mais:
Meirelles promete ‘o maior esforço possível’ para evitar imposto
Servidores se rebelam contra limites para gastos nos Estados
Meta fiscal de 2017 pode estar apertada demais, dizem economistas

Um pouco antes de Meirelles, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que estava reunido com ele e Padilha, informou que o governo está discutindo um “limitador de gastos do pessoal”, avaliando se vai incluir ou não algumas questões. “Na minha avaliação, essa é uma questão menor porque o que vale mesmo é o limitador de gastos. Como vai ser dentro do limitador distribuído é uma questão de cada órgão”, afirmou.

Já Meirelles afirmou que “não existe discussão de porcentuais diferentes”. “Eles são os mesmos que estão sendo discutidos para todos os segmentos, para todas as categorias”, garantiu o ministro da Fazenda, ressaltando que é exatamente isso “a mais importante contrapartida dos Estados”.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. frouxo e cagao… vai ceder a tudo, implantará mais impostos e vai cagar na cara do otario do brasileiro

    Curtir

  2. Ronaldo Magnavacca

    Tudo que estiver fora do projeto, como terceirizações, indenizações, auxílios de despesas de governos anteriores, sem duvida, vai ficar para o otário contribuinte brasileiro pagar, pois estas despesas irão aparecer na contabilidade. Deveria cobrar isso tudo do PT que foi o partido que enterrou o Brasil (Dilma, Lula, Gleisi, P. Bernardo, Berzoini, Rui Falcão, Mercadante, AGU , etc, etc, etc,

    Curtir