Governo interino na Grécia não segura bolsas europeias

Mercados da Europa fecharam em queda nesta quarta-feira ante o temor persistente de que o país saia da zona do euro

Por Da Redação - 16 maio 2012, 14h35

À exceção de Paris, as bolsas europeias fecharam em queda nesta quarta-feira, apesar de a Grécia ter nomeado o chefe do Conselho de Estado do país, Panagiotis Pikrammenos, como o novo primeiro-ministro interino. O índice Stoxx Europe 600 terminou a sessão em baixa de 0,6%, aos 245,59 pontos, renovando uma mínima de fechamento para o ano.

Mesmo em face da nomeação do governo interino, as ações gregas permanecem sob pressão após os partidos políticos fracassarem na tentativa de formar um governo de coalizão. Uma nova eleição será realizada, provavelmente em 17 de junho. Esse atraso pode privar o país de receber uma ajuda internacional muito necessária. Em meio a isso, há o temor de que a Grécia deixe a zona do euro.

Leia também:

Temor de saída do euro leva gregos a onda de saques

Publicidade

Os papéis do National Bank of Greece recuaram 13,5%, levando o índice ASE, da Bolsa de Atenas, a cair 1,33%, aos 555,42 pontos. O Banco Central Europeu (BCE) informou mais cedo que continuará a financiar os bancos gregos, segundo o jornal The Wall Street Journal, em resposta a notícias de que a instituição iria congelar o financiamento. O mercado também está de olho em reportagens sobre a fuga de depósitos dos bancos da Grécia e em notícias de que algumas instituições insolventes já foram cortadas das operações do BCE.

Alguns dados, porém, pesaram para o lado positivo: leilões na França e na Alemanha foram ligeiramente melhores do que o esperado e o superávit comercial da zona do euro foi encorajador. Além disso, o mercado viu com bons olhos o encontro da chanceler alemã, Angela Merkel, e do presidente francês, François Hollande, que afirmaram que querem a Grécia no bloco monetário e na União Europeia (UE).

Ganhos – O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, subiu 0,31%, para 3.048,67 pontos. Os papéis da petrolífera Total tiveram alta de 1,6% após a companhia informar que estancou o vazamento de gás na plataforma Elgin. Vivendi avançou 2,6% depois de comentários positivos da corretora Cheuvreux. EADS ganhou 1,2% após a empresa anunciar os números do primeiro trimestre. Registraram alta também o Crédit Agricole (+2,2%) e o Société Générale (+1,6%).

Perdas – Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX recuou 0,26%, fechando a 6.384,26 pontos. ThyssenKrupp teve baixa de 2,7% e Deutsche Post caiu 2%. Por outro lado, Deutsche Boerse registrou alta de 1,6%, impulsionado pelo pagamento de dividendos que está por vir.

Publicidade

Em Madri, o índice Ibex 35 caiu 1,33%, a 6.611,50 pontos, renovando mínima de junho de 2003. Bankia declinou pela nova sessão consecutiva, uma baixa de 11%. Mapfre teve baixa de 3,8% e Abertis recuou 2,3%.

Em Londres, o índice FTSE teve queda de 0,60%, a 5.405,25 pontos. Em Milão, o FTSE MIB registrou queda de 0,21%, para 13.283,55 pontos. Em Portugal, o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, recuou 1,88%, para 4.890,13.

(Com Agência Estado)

Publicidade