Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo de Minas Gerais decreta calamidade financeira

No final de novembro, reportagem de VEJA revelou que estado vivia situação crítica. Depois de RS e RJ, MG é o terceiro estado a quebrar

O governo de Minas Gerais decretou estado de calamidade financeira da administração pública estadual nesta terça-feira em Edição Extra do Diário Oficial do Estado. O anúncio vem em razão do crescente déficit financeiro decorrente do histórico crescimento de despesas “para as quais as receitas originárias têm sido insuficientes dado o severo momento econômico mundial e nacional que compromete a capacidade de investimento e o custeio para a manutenção dos serviços públicos”.

No Diário, é citada como uma das justificativas do decreto a crise econômica brasileira e internacional “que implicam a contração do Produto Interno Bruto, reflexo da queda da atividade dos diversos setores, sobretudo em face da dependência da economia mineira ao mercado internacional de commodities agrícolas e metálicas e que decorrem em severa redução na receita pública estadual originária”.

O estado está com dificuldades inclusive para efetuar o pagamento dos servidores públicos, mostra o documento.

O Diário relata que “as circunstâncias financeiras críticas e excepcionais colocam em risco a capacidade do Estado prover a manutenção dos serviços públicos essenciais à sociedade”. Ainda segundo o documento oficial, o crescimento desmensurado das despesas de pessoal efetivo que, nos últimos dez anos, acumulou o percentual de 252,98% e não foi acompanhado pelo correspondente crescimento da receita corrente líquida, ocasionou o enquadramento no limite prudencial das despesas de pessoal.

Três estados quebrados

O desequilíbrio entre receitas e despesas é comum aos três estados. Segundo reportagem de VEJA de novembro, essa diferença vinha sendo reduzida no início da década, mas o caminho se inverteu depois disso. No caso de Minas Gerais, a trajetória decrescente durou até 2013.

Naquele ano, a dívida líquida era de 79,1 bilhões de reais e a receita, de 43,1 bilhões de reais. A partir de então, a redução do crescimento da China derrubou o preço das commodities – Minas é o maior produtor de minério de ferro do país, um dos principais produtos exportados pelo Brasil -, o que afetou o ritmo de alta da arrecadação do estado. Já as despesas seguiram em expansão. Em 2015, a dívida passou a 102,6 bilhões de reais, enquanto a receita ficou em 51,6 bilhões de reais, uma evolução prejudicial às contas públicas.

Em outras palavras: no intervalo de apenas dois anos, a dívida líquida cresceu 30% e a receita, 19%. “Se o estado não for o próximo a quebrar, é um dos próximos”, diz Ricardo Couto, professor do Ibmec.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Sugestão Brasil

    Eu quero ver qual o estado que não quero com o governador com o perfil deste? Não existe estado que suporte.

    Curtir

  2. Sugestão Brasil

    E quero é ver qual o estado que não quebra com um governador com o perfil deste. Não há Estado que suporte.

    Curtir

  3. Jurandir marques

    Observando-se o histórico das administrações PeTistas, com o chefão da “Operação Acrônimos” governando MG, não poderia ser diferente, seguiu-se a regra do PT.

    Curtir

  4. Boa tarde Brasil.
    Alguém tem dúvida, que o projeto insano de poder pelo poder da esquerda bolivariana quebrou o país?
    Estamos á chegar no limite da irracionalidade, mais um passo, e o copo transborda.

    Curtir

  5. Lucia Helena Linhares

    A “competência” do Pilantrel, o queridinho de Dona Dilma, é absurda. Faliu o estado em dois anos e enriqueceu a si e seus asseclas ao mesmo tempo. Cadeia no corruPTo Pilantrel!

    Curtir

  6. Depois que esse vagabundo criminal, meteu a mão no dinheiro, declara calamidade.

    Curtir

  7. Políticos preparem as malas, ditadura do aço vem aí!

    Curtir

  8. Se fosse o Estado de São Paulo, choveria críticas de todos os lados!

    Curtir

  9. housekeeping

    a quanto tempo esse cara tá lá? porque não fez nada? e agora ele vai ficá no bem bom e os funcionários ativos e aposentados passando necessidade? tem que fazê igual ao Rio mete o corrupto incompetente na cadeia.

    Curtir