Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo central tem rombo recorde de R$ 20,4 bi em setembro

Com o resultado, as contas voltaram para o campo negativo no acumulado do ano - primeira vez que isso acontece no período desde 1997

Por Da Redação
31 out 2014, 09h27

(Atualizado às 11h50)

O governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência Social) registrou déficit primário de 20,399 bilhões de reais em setembro, pior resultado da série histórica, informou o Tesouro Nacional nesta sexta-feira. Este é o quinto resultado mensal negativo consecutivo registrado nas contas do Governo Central em 2014. Apenas em três meses (janeiro, março e abril), as contas do governo ficaram no azul em 2014. O resultado de setembro ficou também abaixo da mediana dos analistas de mercado, que esperavam um valor negativo de 12,9 bilhões de reais.

Com isso, no acumulado do ano até o mês passado, a economia feita para o pagamento de juros ficou negativa em 15,706 bilhões de reais, no vermelho pela primeira vez também na série histórica do Tesouro, iniciada em 1997. O resultado negativo representa 0,42% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2013, de janeiro a setembro, o superávit acumulado era de 27,996 bilhões de reais.

Em setembro, o Tesouro registrou déficit de 6,764 bilhões de reais e a Previdência Social saldo negativo de 13,642 bilhões, em um resultado influenciado pelo pagamento do 13º salário a aposentados e pensionistas.

Leia mais:

Arrecadação federal bate recorde em setembro, mas decepciona governo

Governo é multado por suposto favorecimento ao JBS

Governo deve anunciar reajuste da gasolina para acalmar mercado

Os dados confirmam a rápida deterioração das contas públicas no governo de Dilma Rousseff em 2014. A piora nas contas do governo central deve levar a equipe econômica a revisar a meta fiscal do ano. O resultado reflete, sobretudo, o aumento dos gastos do governo nas eleições, as concessões com desonerações de tributos e baixo crescimento que derrubou a arrecadação.

Continua após a publicidade

O resultado torna praticamente impossível o cumprimento da meta de superávit primário para 2014 para o governo central, de 80,774 bilhões de reais. A meta cheia do setor público, que além das contas do governo central ainda abrange resultados fiscais dos municípios, Estados e empresas estatais, é de 99 bilhões de reais para 2014. Como resposta à deterioração das contas públicas, a equipe da presidente Dilma prepara o anúncio em breve de um reforço da política fiscal em 2015.

Receitas – Segundo o Tesouro, as receitas líquidas do governo central ficaram em 77,725 bilhões de reais em setembro, 5,7% abaixo de agosto. No acumulado do ano, somaram 739,479 bilhões de reais, com alta de 6,4% sobre igual período de 2013, em um cenário de economia fraca.

Já as despesas atingiram 98,125 bilhões de reais em setembro, 5,6% maiores frente ao mês anterior. De janeiro a setembro, somaram 755,185 bilhões de reais, 13,2% acima de igual período de 2013.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.