Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Dólar dispara e fecha em R$ 2,48, recorde em 6 anos

Moeda americana registra alta de 1,5% no dia e atinge nível acima do visto na crise de 2008

Por Da Redação 1 out 2014, 16h23

(Atualizado 17h20)

Em mais um pregão de alta, o dólar subiu 1,5% nesta quarta-feira, batendo 2,4848 reais (venda), conforme informações da Thomson Reuters. O nível atual do câmbio é maior do que o visto na crise de 2008, de 2,45 reais. Na terça-feira, a moeda americana já havia caído 0,31% no fechamento da sessão, cotada a 2,4480 reais na venda. Em setembro, a moeda teve alta de 9,33%, a maior variação mensal desde setembro de 2011, quando a valorização foi de 18,15%. Na máxima desta quarta-feira, o dólar chegou a 2,4871 reais, alta de 1,59%. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,6 bilhão de dólares.

Leia também:

Bolsa encerra setembro com maior queda mensal desde maio de 2012

Mercado vê em Dilma ameaça maior do que no início da campanha

O cenário eleitoral – com a melhora da presidente Dilma Rousseff na corrida à Presidência – e os riscos que o aumento das taxas de juros americanas podem trazer aos fluxos cambiais globais pesam na sessão. A expectativa do mercado é de que o banco central americano, Federal Reserve (Fed), eleve ano que vem os juros básicos, que hoje se encontram próximos de zero. Assim, poderá ocorrer uma entrada massiva de dólares (investimentos) nos EUA e a consequente saída desse dinheiro dos mercados emergentes.

Na noite de terça-feira, foram divulgados os dados da pesquisa Ibope/Estadão/Rede Globo e os do Datafolha. Segundo o Ibope, em um segundo turno entre a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) e a candidata Marina Silva (PSB), Dilma oscilou de 41% para 42% das intenções de voto e Marina caiu de 41% para 38%, uma situação no limite do empate técnico. Pelo Datafolha, num eventual segundo turno entre Dilma e Marina, a presidente tem 49% das intenções de voto e a candidata do PSB, 41%. Na semana passada, Dilma tinha 47% e Marina, 43%.

O Banco Central (BC) divulgou nesta quarta-feira que o fluxo cambial ficou positivo em 3,561 bilhões de dólares em setembro (até o dia 26). As operações financeiras respondem por uma entrada líquida de 2,601 bilhões de dólares, diferença entre ingressos de 40,903 bilhões de dólares e retiradas de 38,302 bilhões de dólares.

Continua após a publicidade
Publicidade