Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Desemprego menor em setembro não reflete a realidade, avaliam analistas

Diminuição na taxa de desemprego nas regiões avaliadas pelo IBGE é apenas reflexo de efeitos estatísticos; demissões recentes vão entrar nas contas em breve

Por Da Redação
23 out 2014, 10h43

A queda na taxa de desemprego, de 5% para 4,9%, entre agosto e setembro, não significa que o mercado de trabalho brasileiro esteja saudável. Segundo o sócio da Canepa Asset Management, Alexandre Póvoa, a variação não passa de um efeito estatístico, influenciado pelo aumento da inatividade.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta manhã de quinta-feira, o número de inativos subiu 3,7% em relação a setembro de 2013. Cerca de 690.000 pessoas entraram na inatividade neste período. No total, 19,2 milhões de brasileiros, nas seis regiões metropolitanas pesquisadas, compõem a população não economicamente ativa. São inativas as pessoas que não têm trabalho e não tomaram nenhuma providência para encontrá-lo porque não têm interesse em trabalhar. Entram ainda na conta aposentados que deixaram de trabalhar e pessoas incapacitadas.

“A taxa de desemprego está em um ponto de inflexão e deve começar a piorar gradativamente, o que será mais visível em 2016”, comenta Póvoa, da Canepa. Ele aponta que a indústria demitiu 59 mil pessoas em setembro, mostrando uma fragilidade muito grande. O setor de serviços, o grande empregador do país, também começa a fraquejar. Os serviços prestados a empresas, por exemplo, tiveram aumento de apenas 0,2% no contingente de trabalhadores de agosto para setembro. A expectativa do economista é que logo aparecerá o efeito do desemprego nos serviços.

Leia mais:

Criação de vagas em setembro é a pior para o mês desde 2001

Continua após a publicidade

O mercado de trabalho começa a sentir o baque

Banco Central: redução do desemprego no Brasil não é sustentável

A estabilidade da massa de renda real habitual dos ocupados (48,4 bilhões de reais) em setembro ante agosto mostra ainda que muitas empresas estão já chegando no limite da manutenção de sua base de funcionários. Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe do Crédit Agricole Brasil, explica que, com as demissões vistas em alguns setores e a massa real estável, o número de vagas diminuiu e a população economicamente ativa também diminuiu.

Os dados dessazonalizados (sem interferências temporárias) do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) já apontam para uma forte queda na criação de empregos. Em setembro, o Brasil abriu 123.785 vagas formais de trabalho – o pior resultado para o mês desde 2001. O resultado corresponde à diferença entre 1.770.429 admissões e 1.646.644 desligamentos.

Continua após a publicidade

“Uma hora isso deve se refletir nos números do IBGE”, segundo Póvoa, da Canepa. “Em algum momento o denominador (número de pessoas procurando emprego) vai se estabilizar e o desemprego vai subir”. A população economicamente ativa, formada por quem está empregado ou à procura de uma colocação no mercado (24,3 milhões de pessoas), recuou 1% em setembro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2013.

Assim, os economistas acreditam que a ligeira desaceleração da taxa de desemprego em setembro nas seis regiões metropolitanas do país é reflexo apenas de efeitos estatísticos e não indica que o mercado de trabalho esteja aquecido. “Isso não é sinal de força de trabalho”, afirmou Caramaschi, do Crédit Agricole.

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego de setembro é a menor para o mês desde 2002. Para Caramaschi, o debate sobre o motivo do arrefecimento do nível do desemprego é amplo, mas pode ter algum reflexo dos programas sociais, que acaba por permitir que a pessoa tenha condições de se dedicar aos estudos, por exemplo. “É uma discussão em aberto, mas o que podemos perceber.”

O fechamento de vagas indica que a atividade econômica do país está mais fraca e acaba batendo no emprego. Para os especialistas, esse cenário não deve ser revertido tão cedo. “Independentemente de quem vença a eleição, alguns ajustes macroeconômicos terão de ser feitos no ano que vem e que possivelmente não devem trazer benefícios ao mercado de trabalho”, finalizou Caramaschi.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.