Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

China e Grécia fazem bolsas dos EUA abrirem em queda

Por Da Redação
12 mar 2012, 10h37

Por Luciana Antonello Xavier, correspondente

Nova York – Os indicadores fracos da economia chinesa e dúvidas persistentes em relação à Grécia minam as forças das bolsas para a abertura de hoje, véspera de reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed). Dow Jones e Nasdaq abriram. às 10h35, Dow Jones apresentava leve alta de 0,05% e a Nasdaq caia 0,02%.

Para analistas consultados pela Agência Estado, o Comitê de Mercado Aberto do Fed (Fomc) não deverá promover nenhuma mudança na reunião de amanhã e afirmam que a melhora gradual da economia americana pode acabar antecipando o início da alta de juros no país para antes do fim de 2014, prazo previsto pelo BC americano. “A única mudança que pode haver é (o Fed) adotar um tom um pouco mais positivo sobre as condições da economia do que o adotado anteriormente”, disse o economista-chefe da consultoria MFR, Joshua Shapiro, na última sexta-feira.

Do outro lado do mundo, a questão não é a melhora, mas a piora da economia chinesa, que teve um déficit comercial de US$ 31,48 bilhões em fevereiro, bem maior do que o déficit de US$ 8,5 bilhões esperado por analistas. Além disso, o saldo negativo sucede um superávit de US$ 27,28 bilhões em janeiro. As exportações chinesas cresceram 18,4% em fevereiro em comparação com um ano atrás, enquanto as importações cresceram 39,6%.

Na Europa, o calote grego, o maior da história, não parece ser tão “página virada”, como se apressaram em dizer líderes da região. Os investidores não estão seguros sobre o futuro do país no longo prazo e isso ficou claro nos preços dos novos bônus do governo grego, negociados hoje com desconto expressivo. Na sexta-feira, a Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA, na sigla em inglês) considerou como default o evento grego, disparando o pagamento dos contratos de swaps de default de crédito (CDS). A exposição líquida atual aos CDS da Grécia é de US$ 3,2 bilhões, mas o pagamento acabará sendo menor do que esse montante, segundo a ISDA. O valor dos CDS será determinado em leilão no próximo dia 19.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.