Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Censo mostra melhoria socioeconômica do país

Indicadores evidenciam o desenvolvimento e a melhoria das condições de vida; mudanças no comportamento do brasileiro também se destacam

Por Ana Clara Costa e Anna Carolina Rodrigues
27 abr 2012, 10h03

Um Brasil que consome mais, estuda por mais tempo, ganha melhor e tem mais emprego. Este é o retrato oferecido pelo Censo 2010, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A nova pesquisa traz dados de migração, mortalidade, educação, mercado de trabalho, renda, entre outros temas (veja infográfico). Todos mostram avanços expressivos – algo que já era antecipado graças a números preliminares que órgão divulgou nos últimos dois anos.

tampa para infografia econômica do Censo 2010
tampa para infografia econômica do Censo 2010 (VEJA)

Leia mais:

Brasil chega ao século XXI com padrão de país desenvolvido

População brasileira cresce menos nos anos 2000

Continua após a publicidade

As comparações realizadas pelo IBGE entre os Censos de 2000 e 2010 demonstram como as mudanças econômicas e educacionais interligaram-se e criaram um ambiente social melhor. O confronto dos dados também descortina um país que muda seus hábitos e escolhas – enfim, seu jeito de viver – como atestam brasileiros ouvidos pelo site de VEJA (confira quadro com as histórias).

Avanços sociais – O porcentual de crianças fora da escola regrediu de 5,5% para 3,1% no período, enquanto o nível de escolaridade melhorou em todas as categorias – ainda que deixe a desejar na comparação com estatísticas das nações desenvolvidas e outros grandes emergentes. Entre os estudantes brasileiros que completaram o ensino superior, o índice passou de 4,4% em 2000 para 7,9% em 2010.

Mais capacitadas, as pessoas conseguem empregos melhores e salários maiores num país em que o forte desenvolvimento econômico só faz crescer a demanda por mão-de-obra qualificada. Em uma década, a renda média mensal dos trabalhadores passou de 2.297 reais para 2.653 reais. Ainda segundo o Censo, o porcentual de pessoas empregadas subiu de 66,6% em 2000 para 70,8% em 2010

Continua após a publicidade

O avanço não foi somente quantitativo. Melhorou também a qualidade do trabalho, haja vista que a formalização deste mercado também deu um salto. O número de trabalhadores com carteira assinada passou de 54,8% para 63,9%. A pesquisa mostra que o comércio e o setor automotivo são as áreas que mais empregam no país, com 17% dos postos.

A vez do consumo – Com mais renda e emprego, explodiu o apetite pelo consumo – algo que se encontrava represado há décadas em parcela expressiva da população (veja infográfico). A ida às compras, turbinadas por um pujante mercado de crédito, traduziu-se a maior acesso a uma série de bens, sobretudo os duráveis. Em 2000, por exemplo, apenas 10,6% dos lares tinham um microcomputador. Esse porcentual evoluiu para 38,3% dez anos depois.

A população, com mais recursos financeiros e maior acesso à educação, também consegue cuidar melhor de suas crianças. Assim, a taxa de mortalidade infantil em bebês com menos de um ano de idade recuou de 29,7 em cada mil recém-nascidos no ano 2000 para 15,6 em 2010. O número é animador, porém, ainda está longe do patamar de países com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), como Suíça e Estados Unidos, que possuem, respectivamente, taxas de mortalidade de 4,5 e 7,5 sobre mil nascimentos.

O mercado de trabalho aquecido e a forte demanda por profissionais qualificados tornam-se incentivos naturais para que os brasileiros busquem qualificação, criando um círculo virtuoso de desenvolvimento. De acordo com os dados do Censo, o Brasil melhora, ainda que esteja longe de ser o melhor.

Continua após a publicidade

Mudanças comportamentais – A amostra do Censo 2010 também revelou algumas tendências comportamentais recentes da população brasileira (veja quadro com histórias). Em relação à mobilidade, por exemplo, foi apontada uma intensificação do movimento de retorno de pessoas que tinham migrado, anos antes, para outros estados e para outros países.

Os migrantes de retorno representaram 24,52% do total em 2005/2010, em comparação a 22,02% registrado no período anterior. O Nordeste foi o que teve maior porcentagem de ‘retornados’ dentre imigrantes em comparação com as outras regiões tanto em 2000 quanto em 2010. Os ‘retornados’ representaram 40% dos imigrantes na maioria dos estados nordestinos, com excessão de Rio Grande do Norte (33,86%) e Sergipe (28,25%).

Já o número de imigrantes internacionais – brasileiros que moravam fora e voltaram para o país – aumentou para 143.644, o que implica uma elevação de 86,7% frente o patamar observado no Censo de 2000. Mais da metade desses imigrantes voltou principalmente para São Paulo, Paraná e Minas Gerais.

Leia mais:

Leia mais: Brasileiros voltam para casa, revela Censo 2010

Casamentos “sem papel” – A maneira como ocorrem as uniões conjugais também vem sofrendo alterações. De acordo com o Censo 2010, as pessoas, cada vez mais, vivem uma vida marital, mas sem qualquer registro perante a Justiça. Casais moram juntos e investem em bens para construir uma família, mas preferem fazer isso sem as amarras legais e os gastos de uma cerimônia de casamento. Este tipo de união representou 36,4% do total no Censo 2010, ao passo que equivalia a 28,6% na amostra anterior. O número de realizados no civil e no religioso diminui 6,5% entre as duas pesquisas. Por fim, o total de pessoas que se separaram aumentou 20% no período, com destaque para a Região Norte.

Maternidade – Outro aspecto observado foi o aumento no número de mulheres que deixam para ter o primeiro filho mais tarde, depois dos 30 anos. Essas mães representam atualmente 18% em comparação a 15,8% no Censo 2000. A taxa de fecundidade maior continua concentrada entre os 20 e 29 anos, mas o aumento do número de mães com mais de 30 anos puxou a idade média da fecundidade para cima: passou de 26,3 anos, em 2000, para 26,8 em 2010.

Pessoas com deficiência – Na amostra foram pesquisadas as pessoas com deficiência visual, auditiva e motora, com seus respectivos graus de severidade, bem como as pessoas com deficiência mental. No total, existem cerca de 45 milhões de pessoas com ao menos uma das deficiências investigadas, o equivalente a 23,9% da população brasileira.

Continua após a publicidade

A deficiência visual é a que atinge maior número de indivíduos, 18,8% da população, seguida pela deficiência motora, que caracteriza 7% dos brasileiros. A deficiência auditiva ficou em 3º lugar, com 5,1% dos brasileiros. Por fim, as pessoas com deficiência mental equivalem a 1,4% da população. O maior porcentual de pessoas com deficiência (26,6%) encontra-se na Região Nordeste.

LEIA TAMBÉM:

Brasileiros voltam para casa, revela Censo 2010

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.