Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caso da vaca louca exigirá investimentos, diz Abipecs

Presidente da associação critica demora em confirmar de caso da doença. Japão, China e África do Sul já suspenderam compra de carne brasileira

Por Da Redação 14 dez 2012, 10h27

A demora de um ano e meio na confirmação de um caso da doença da vaca louca no Brasil abalou a credibilidade das autoridades sanitárias do país e vai exigir investimentos do governo para que problemas semelhantes não voltem a ser registrados, disse, nesta sexta-feira, Pedro de Camargo Neto, presidente-executivo da Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Carne Suína (Abipecs).

“Alguém tem de explicar direitinho o que aconteceu”, declarou o executivo em Moscou. Camargo Neto integra a delegação de 80 empresários que acompanham a visita da presidente Dilma Rousseff à Rússia.

Em sua avaliação, “já existe” um efeito dominó gerado pelo caso da vaca que morreu em 2010, com suspensão das importações pelo Japão, pela África do Sul e China. Mas Camargo Neto ressaltou que os três países são insignificantes para o mercado brasileiro. “Nós exportamos meia dúzia de latas de carne para o Japão”, disse em tom de exagero.

Leia também:

China e África do Sul suspendem compra de carne brasileira

Continua após a publicidade

Japão proíbe importações de carne bovina do Brasil

Brasil lança ofensiva para esclarecer caso atípico de vaca louca

O temor é de que outros países adotem medidas semelhantes. Além disso, problemas sanitários em relação à carne bovina podem influenciar negativamente outras carnes. “Estamos há cinco anos negociando a entrada no mercado do Japão”, lembrou Camargo. Para ele, “é inadmissível” que um exame laboratorial demore um ano e meio para ser concluído. “É rápido perder credibilidade, mas reconquistá-la demanda tempo.”

Camargo Neto defendeu o aumento do Orçamento do Ministério da Agricultura e dos recursos destinados à vigilância e inspeção sanitária e aos laboratórios. “As desculpas podem ser verdadeiras, mas ficou claro que elas não são aceitas pelos compradores”, disse. Se o foco de vaca louca tivesse sido notificado em um prazo de dois meses depois da ocorrência, Camargo Neto acredita que não teria havido problemas.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês