Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

BC dos EUA prioriza crescimento e Powell sinaliza que lucro é secundário

Para presidente do Federal Reserve, o objetivo é recuperar os empregos e manter a estabilidade dos preços. O restante deve ser administrado pelo mercado

Por Luisa Purchio Atualizado em 6 out 2020, 17h56 - Publicado em 6 out 2020, 13h26

Em pronunciamento realizado nessa terça-feira, 6, no encontro anual da National Association for Business Economics (NABE), o presidente do Federal Reserve, o banco central americano, Jerome Powell, deu uma notícia desanimadora para quem investiu em títulos de renda fixa. Desde a Covid-19, o Fed vem baixando as suas taxas de juros, atualmente entre 0 e 0,25% ao ano. Apesar de a economia estar reagindo bem, ainda não chegou aos patamares esperados e, por isso, Powell afirmou que a taxa de inflação, estimada em 2%, poderá ser ultrapassada para estímulos na economia. Isso põe os juros nominais em patamares mais negativos e é ruim para esse tipo de investimento. “Basicamente eles querem mostrar que não vão elevar o juro de forma preventiva como era feito antes”, diz Victor Beyruti, analista da Guide Investimentos.

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

Questionado por Lisa Emsbo-Mattingly, ex-presidente da NABE que atua no mercado financeiro sobre o risco de colapso no sistema financeiro devido às baixas taxas de juros e à recente alta do mercado de ações, Powell afirmou que ele “é possível” e a economia pode se comportar “de modo inesperado até 2022”. De qualquer forma, ele foi enfático ao dizer que a prioridade do banco central americano é criar “o máximo de empregos e de estabilidade de preços”, e “obviamento não os ativos”.

Apesar de a notícia ser positiva para os mercados financeiros, que atraem mais investimentos diante de taxas básicas baixas, eles reagiram de forma mista ao pronunciamento. O índice Dow Jones oscilava entre o negativo e o positivo e o S&P 500 operava em leve queda, de 0,06%, por volta das 13h no horário de Brasília. O que está pesando mais na economia americana é a aprovação no Congresso de um novo pacote de benefícios fiscais, parado devido à proximidade das eleições presidenciais e a disputa entre republicanos e democratas.

De qualquer forma, Powell disse que o sistema financeiro dos Estados Unidos é resiliente e que, apesar de a área de atuação do Federal Reserve ser limitada, o próprio mercado pode usar ferramentas para auxiliar nessa estabilidade, como gerenciamento de capital, de patrimônio líquido e gestão de riscos, “todas as coisas que os bancos fazem muito melhor agora”. A fala de Powell faz sentido e endossa o modus operandi do sistema político e econômico americano, extremamente liberal e que defende intervenção mínima do Estado na economia. Nesse sentido, Powell disse que “ninguém deve querer que o Fed intervenha no mercado dessa forma, como se fosse rotina” e que as “ferramentas realmente são emergenciais” e quando a economia se recuperar, “vamos retirá-las e trancá-las a chave”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)