Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Tony Bellotto: ‘Censurar livros é fascismo’

Guitarrista dos Titãs fala de seu mais novo lançamento na carreira de escritor e critica a recente tentativa de proibir uma obra de Ziraldo em escolas

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 jul 2024, 10h29 - Publicado em 6 jul 2024, 08h00

Na quarta-feira 10, sai seu 11º livro, Vento em Setembro (Companhia das Letras), um suspense ambientado em uma pequena cidade. Como a história surgiu? É um livro que fala sobre a busca de identidade. Coloquei muita coisa ali que vi acontecer. Lembro da minha adolescência, no interior de São Paulo, onde se organizavam orgias para celebrar a iniciação sexual dos filhos com prostitutas. Aquilo me chocava e coloquei isso na história.

Seus romances são sempre suspenses de teor policial. De onde veio o interesse pelo gênero? Gosto da ideia do enigma. A essência do romance policial é o desvendar do enigma. É o clássico: mostra o cadáver na primeira página e o culpado na última, com o detetive tentando descobrir ao longo do livro. Trabalho muito com isso no novo romance. Sempre me inspirei no escritor belga Georges Simenon, e meus escritos têm essa aura policial da investigação.

Ano que vem, você celebra trinta anos do lançamento de seu primeiro livro, Bellini e a Esfinge. O processo criativo de escrever um romance e de compor uma música nos Titãs é o mesmo? O impulso inicial é parecido. Tinha a vontade de escrever profissionalmente desde a adolescência e, aos 33, acabei lançando meu primeiro romance. Mas era meu sonho também ser guitarrista de rock. Sempre exercitei as duas coisas. A música se aproxima mais da métrica de uma poesia. Nos romances, a prosa é caudalosa. Gosto de alternar essas duas vertentes criativas. Convivi um pouco com Rubem Fonseca, e ele me deu muitos conselhos objetivos sobre escrita.

Que tipo de conselhos? Um que nunca esqueci foi este: “Um livro pode ser tudo, menos chato”. Ele me ensinou ainda que, quando você começa a escrever um livro, não pode parar, como acontece comigo quando estou no meio de uma turnê. Ele dizia ser preciso retomar a escrita do livro pelo menos uma vez por semana, para não deixar a história desandar. Além de outras dicas, como ser claro na escrita. Ele dizia que você pode ser enigmático, mas nunca deve ser obscuro.

Continua após a publicidade

Recentemente, uma cidade mineira proibiu que o livro O Menino Marrom, de Ziraldo, fosse usado nas salas de aula — decisão revertida pela Justiça. Como escritor, qual sua opinião a respeito do episódio? É terrível. Censurar livro é uma coisa do mais radical fascismo ou nazismo. Livro é expressão da liberdade. Essa censura por questão moral é hipocrisia, às vezes disfarçada de moral religiosa. É inaceitável. Temos de ficar atentos a isso. O mesmo ocorreu com o livro de Jeferson Tenório, no Rio Grande do Sul. Meu livro também é uma forma de mostrar minha indignação.

Publicado em VEJA de 5 de julho de 2024, edição nº 2900

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.