Clique e assine a partir de 9,90/mês

‘The Voice’ termina hoje com Renato Vianna como favorito

Em temporada sem calouros que chamassem atenção, programa foi calcado na espontaneidade dos jurados

Por Daniel Dieb - 25 dez 2015, 10h51

Depois de noites e noites de música, pérolas dos jurados, candidatos emocionados e piadinhas de Tiago Leifert, chega ao fim nesta sexta-feira a quarta temporada do The Voice Brasil, da Globo. Em um ano sem calouros exepcionais, o reality show se amparou, mesmo, na espontaneidade de seus técnicos – Carlinhos Brown com sua prolixidade, Michel Teló e sua indecisão, Claudia Leitte com suas caras e bocas e Lulu Santos com sua objetividade implacável. Exatamente porque os jurados foram o ponto alto do programa, ele se tornou mais divertido da metade para o final, quando passou a ser exibido ao vivo. Eles só eram contidos, às vezes, por Leifert, que fez a lição de casa e soube lidar com os limites da grade horária, sempre ameaçada pela enrolação de Brown e Teló.

LEIA TAMBÉM:

Em programa morno, ‘The Voice Brasil’ elege seus finalistas

Globo começa as gravações de ‘The Voice Kids’

Continua após a publicidade

‘The Voice’ tem noite de filosofia e enrolação graças a Brown e Teló

As pérolas e os petardos do ‘The Voice Brasil’

Os finalistas do programa, que competem nesta sexta pelo título de nova voz do Brasil, têm características específicas que remetem a seus treinadores. São eles o popular Renato Vianna, o original Ayrton Montarroyos, a estrela pop Nikki e a estrela teen Junior Lord. Como o vencedor é escolhido pela votação do público, Vianna, que tem quase 400 000 seguidores em sua página no Facebook, deve se sagrar campeão – na semana passada, por exemplo, ele nem deu chance ao concorrente Renan Ribeiro ao derrotá-lo com uma vantagem de 60 pontos. Apadrinhado por Teló, o rapaz de 25 anos já usou sua excelente voz, rouca e grave, para entoar hits de bandas como Beatles e Queen no reality. Vianna tanto confia na sua voz que não hesita em usá-la na máxima potência e, talvez por isso, suas apresentações soem um bocado exageradas.

Do lado oposto está Montarroyos, que foi o mais original entre os calouros ao só apresentar músicas brasileiras da forma mais contida possível. Apadrinhado por Lulu Santos, o recifense deu seu toque a músicas de Chico Buarque, Pixinguinha, do próprio Lulu e entrou no programa ao interpretar Força Estranha, escrita por Caetano Veloso. Seu estilo de canto, aliás, lembra o de Caetano – o que pode soar tão ou mais cansativo quanto a demora de Teló para fazer suas escolhas para um público acostumado com músicas agitadas e rápidas. A postura discreta de Montarroyos acabou sendo prejudicial a ele, que tem apenas 47 000 seguidores no Facebook e não deve ter forças para superar Vianna na final. Uma pena.

Continua após a publicidade

Nikki, por sua vez, agrada os espectadores com seu repertório recheado de músicas pop e que tocam nas rádios. A garota de cabelo rosa já cantou Anitta, Miley Cyrus e Hello, de Adele, cuja interpretação foi feita por ela enquanto também tocava piano, o que surpreendeu até sua técnica, Claudia Leitte. Nesta mesma performance, no entanto, sua voz não alcançou as notas desejadas, como já havia acontecido outras vezes na competição. Nikki dá ao público o que ele quer e conquistou certa audiência no Facebook, onde tem 221 000 seguidores.

Por fim, Junior Lord, treinado por Carlinhos Brown, tem até um fã-clube. Foi graças ao grupo que o cantor deixou para trás vozes melhores que a sua, como na semifinal, quando teve apenas seis pontos a mais do que Paula Sanffer. O baiano de 17 anos também sofreu para lembrar letras das músicas que cantou ao longo do programa. Essa falha, porém, foi compensada pela convicção e confiança com as quais ele entoava as canções, além do visual de popstar adolescente que exibe.

Caso Renato Vianna se confirme como vencedor do The Voice Brasil, ele terá de manter a popularidade na futura carreira. Quanto ao reality, o formato mostra que tem fôlego para outras temporadas graças à forte repercussão que ainda tem nas redes sociais, embora isso se deva mais aos jurados do que os cantores. Mas há pontos que podem ser melhorados. A versão americana exibe os técnicos auxiliando os integrantes de suas equipes, o que poderia ser feito por aqui também – do jeito que está, parece que o cargo de treinador é uma mera formalidade. A mudança poderia trazer maior conexão entre equipes e espectadores. Além disso, ainda resta saber o que faz Dani Suzuki no programa além de falar os nomes dos patrocinadores.

Publicidade