Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Francisco Weffort, ex-ministro da Cultura de FHC, morre aos 84 anos

Um dos fundadores do PT, o cientista político deixou o partido em 1994 para integrar o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 2 ago 2021, 11h58 - Publicado em 2 ago 2021, 11h23

O cientista político e ex-ministro da Cultura Francisco Weffort morreu na noite deste domingo, 1º, no Rio de Janeiro, aos 84 anos, em decorrência de um infarto do miocárdio. Ele estava internado no hospital Casa de Saúde São José.

Formado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), Weffort participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), no qual ocupou o cargo de secretário-geral. Ele também participou ativamente da campanha das Diretas Já e pelo fim da ditadura militar. Em 1986, se candidatou a deputado constituinte, mas não foi eleito.

Filiado ao PT até 1994, ele deixou o partido para assumir o cargo de ministro no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) entre os anos de 1995 e 2002. Na pasta, defendeu o aumento do orçamento da Cultura e fez alterações na Lei Rouanet. Ele também implantou a Lei do Audiovisual, responsável por retomar a produção cinematográfica do Brasil.

Entre as mudanças propostas por Weffort na Lei Rouanet estavam o aumento do patamar de investimentos e a descentralização dos recursos aplicados, incentivando as empresas a investir fora do eixo Rio-São Paulo. Em 1995, o ator Guilherme Fontes conseguiu durante a gestão de Weffort a autorização para captar até 12 milhões de reais, o que se tornou um dos maiores orçamentos do cinema brasileiro, para a produção do filme Chatô – O Rei do Brasil.

Continua após a publicidade

Em entrevista a VEJA, em 2016, defendeu o impeachment de Dilma Rousseff. “Ela não tem nenhuma competência para a atividade política e detesta o contato com os outros políticos. Trata-se de uma administradora incompetente politicamente. Em segundo lugar, ela claramente mentiu sobre a política econômica”, disse.

Em 2016, Weffort quase foi eleito imortal da Academia Brasileira de Letras, mas a eleição terminou empatada com Antonio Cicero. Na segunda votação, ele não foi eleito. Weffort é dono de uma vasta produção bibliográfica. São de sua autoria as obras Formação do Pensamento Político Brasileiro, Por que Democracia e Qual Democracia? Seu último trabalho foi Crise da Democracia Representativa e Neopopulismo, escrito em parceria com o professor José Álvaro Moisés. Ele era casado com Helena Severo e deixa quatro filhas (Carolina, Helena, Cristina e Marina).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.