Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Com morte de Jean-Luc Godard, cinema perde um mestre da provocação

Expoente máximo da nouvelle vague, o diretor franco-suíço mudou a história do cinema ao quebrar regras e celebrar a divagação intelectual

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h11 - Publicado em 16 set 2022, 06h00

A devoção de Jean-Luc Godard ao cinema extrapolava limites — inclusive os da lei. “Cheguei a roubar para poder assistir e fazer filmes”, disse o diretor franco-suíço em 2007, já sob a segurança do prestígio e da idade avançada, perto dos 80 anos. O meliante se via como um nobre Robin Hood: o butim do dinheiro que furtava, advindo de empregadores e de sua família abastada, era compartilhado com outros cineastas iniciantes. A camaradagem e a verba curta, em um mundo de desequilíbrio moral e emocional pós-II Guerra, foram as bases que sedimentaram o movimento cinematográfico francês da nouvelle vague, a iconoclástica nova onda da qual Godard se impôs como expoente máximo nos anos 1960.

“O que é o cinema? A resposta para essa pergunta eu resumiria assim: é a expressão de sentimentos sublimes.”

Jean-Luc Godard(1930-2022)

Morto na terça-feira 13, aos 91 anos, o diretor demarcou uma linha histórica na arte de fazer filmes: depois dele, as produções seriam divididas entre aquelas fabricadas por estúdios e o cinema de autor. Se as primeiras têm por objetivo entreter e conduzir o espectador por viagens escapistas, o segundo é um convite filosófico à autorreflexão. Da quebra da quarta parede — expediente no qual o ator olha para a câmera, ou seja, para o espectador — até finais abertos e divagações sem respostas, os filmes da nouvelle vague não eram feitos para ser palatáveis, e sim digeridos com elaboração intelectual. Godard tornou-se, assim, o mestre supremo da provocação — amado pelos que viam o cinema como uma forma de arte elevada e odiado por quem o via como o pai de todos os diretores-cabeça.

ROMANCE - Acossado: estreia que virou um clássico instantâneo -
ROMANCE - Acossado: estreia que virou um clássico instantâneo – (Collection ChristopheL/AFP)

História(s) do cinema

Ao rasgar a cartilha dos padrões impostos até ali especialmente por Hollywood, a nouvelle vague recolocou a França em posição de glória na ebulição artística mundial. Já a liberdade de contar histórias sem amarras, de linhas cronológicas indefinidas a enquadramentos inovadores e ao uso de câmera na mão, se revelou um legado de alcance global. O cinema novo brasileiro bebeu da fonte francesa: Godard e Glauber Rocha (1939-1981), aliás, se admiravam mutuamente.

Continua após a publicidade
POÉTICO - O Demônio das Onze Horas: começo, meio e fim misturados -
POÉTICO – O Demônio das Onze Horas: começo, meio e fim misturados – (Films Georges de Beauregard/.)

Jean-Luc Godard: História(s) da literatura

Nascido em Paris e criado na Suíça, Godard tinha uma relação conturbada com os pais, um médico e uma filha de banqueiro. O vínculo se rompeu quando ele trocou a ilustre Sorbonne pela Cinemateca Francesa, onde conheceu seu principal parceiro criativo, François Truffaut (1932-1984), e André Bazin (1918-1958), dono da revista Cahiers du Cinéma, bíblia dos cinéfilos, na qual Godard trabalhou como crítico — e de onde roubou uns trocados. Forjado nesse meio vanguardista, Godard fez filmes sobre laços humanos que não se explicam e sobre a fragilidade do status quo. Em Acossado (1960), sua brilhante produção de estreia, um ladrão procurado pela polícia tem um romance com uma americana. Quanto mais poético e abstrato Godard ficava, mais sua popularidade crescia, como atesta O Demônio das Onze Horas (1965), que fala de um criminoso em fuga das autoridades — mas, principalmente, do tédio.

CENSURA - Je Vous Salue, Marie: o filme que irritou José Sarney -
CENSURA - Je Vous Salue, Marie: o filme que irritou José Sarney – (Collection ChristopheL/AFP)

A Nouvelle Vague E Godard

Continua após a publicidade

Em 1985, o diretor mexeu num vespeiro religioso com Je Vous Salue, Marie, alegoria moderna sobre a mãe de Jesus. O filme foi censurado no Brasil pelo governo de José Sarney, a pedido de líderes católicos, e liberado só em 1988. Ao longo da vida, as críticas e os aplausos não distraíram o cineasta de escrever, produzir, atuar e dirigir sem descanso. Seus últimos trabalhos foram tão experimentais que mais pareciam colagens de cenas e frases. O jornal francês Libération noticiou que Godard morreu em um suicídio assistido — prática legalizada na Suíça, onde vivia. Como ele mesmo disse: “A história deve ter um começo, um meio e um fim, mas não necessariamente nessa ordem”.

Publicado em VEJA de 21 de setembro de 2022, edição nº 2807

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

História(s) do cinema
História(s) do cinema
Jean-Luc Godard: História(s) da literatura
Jean-Luc Godard: História(s) da literatura
A Nouvelle Vague E Godard
A Nouvelle Vague E Godard

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.