Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

‘Antes que Eu Me Esqueça’ fez Danton Mello repensar relação com as filhas

‘Minhas filhas moram fora do Brasil com a mãe. Hoje, fico pensando: eu as deixei ir embora. Fiz certo? Nunca vou saber’, desabafa ator, que estreia filme

Por Lucas Almeida 25 Maio 2018, 17h35

Danton Mello estreou na quinta-feira o filme Antes que Eu Me Esqueça. Entre comédia e drama, o longa mostra a história de reaproximação do personagem do ator com o pai vivido por José de Abreu. Em entrevista a VEJA, Mello conta que a trama provocou uma reflexão sobre a sua própria relação com as filhas: “Minhas filhas moram fora do Brasil com a mãe. Hoje, fico pensando: eu as deixei ir embora. Fiz certo? Nunca vou saber”, afirma.

O ator de 42 anos é pai de Luísa, de 17, e Alice, de 14. As duas são fruto do casamento de Danton com a roteirista Laura Malin, que terminou em 2004. “Eu acabei autorizando a mãe delas, a minha ex-mulher, a levá-las para a Califórnia, achei que seria uma experiência incrível conhecer um lugar com uma qualidade de vida melhor do que a nossa”, explica o ator. “Mas hoje me questiono se fiz certo.”

Danton afirma que tenta viajar o máximo que pode para ver as duas filhas, que já moram no exterior há quatro anos, e também cobra: “Fico em cima para que elas venham ao Brasil me visitar, visitar os avós e, sempre que posso, estou na ponte aérea Rio-Los Angeles, mas é difícil”.

Filho de peixe

Danton ainda revela que durante as gravações, ele começou a pensar na relação que mantém com os pais atualmente. “Moro no mesmo bairro que o meu pai e a minha mãe e passo diversas vezes na porta do prédio deles, mas vou direto para casa, porque tenho texto para estudar ou coisas para resolver”, explica. “O filme me fez pensar por que não posso parar e subir para dar um beijo neles. Não preciso entrar para ficar meia hora, poderia só dar um abraço e um beijo, em vez de ligar ou mandar uma mensagem.”

Danton Mello e José de Abreu em cena do filme ‘Antes que Eu Me Esqueça’ Reprodução/Divulgação
Continua após a publicidade

Constelação familiar

Durante a preparação do elenco, o diretor de Antes que Eu Me Esqueça, Tiago Arakilian, conta que usou técnicas de constelação familiar com os atores. O método terapêutico propõe que desconhecidos interpretem personagens da família de uma pessoa, na tentativa de tentar resolver um conflito ou um trauma.

A técnica criada pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger já fazia parte da vida de Arakilian há muitos anos e foi usada estrategicamente para o longa: “Fiz dramatizações com os atores, o que foi super útil, porque a gente tinha pouco tempo de preparação. Tinha que preparar algo intenso, que fizesse o elenco se emocionar consigo mesmo e com a história do filme”, relembra o diretor.

Antes que Eu Me Esqueça acompanha a história do juiz aposentado Polidoro (José de Abreu), que começa a vender os seus imóveis para comprar uma boate de strip-tease aos 80 anos. Enquanto a sua filha, Beatriz (Letícia Isnard), pede a interdição do pai, o seu outro filho, Paulo (Danton Mello), se declara incapaz de opinar por não conversar com o homem há anos. O juiz define que Paulo e Polidoro devem voltar a ter encontros semanais antes da decisão do processo.

Continua após a publicidade

Publicidade