Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Os relógios que unem o luxo das pedras preciosas com tecnologia de ponta

Retomada do cotidiano renova a indústria relojoeira, que ressurge com cifras impressionantes de recuperação e peças de encher os olhos

Por Simone Blanes Atualizado em 27 Maio 2022, 16h26 - Publicado em 29 Maio 2022, 08h00

Um dos efeitos do confinamento imposto pela pandemia foi alterar a noção da passagem do tempo — ora estendido em demasia, ora espremido entre quatro paredes. Um outro fenômeno foi o represamento de desejos. Houve menos consumo, mais zelo com o dinheiro, o natural cuidado de quem não via o futuro com clareza. Agora que o cotidiano já pode ser retomado, felizmente, os dois movimentos — a dança dos ponteiros e os anseios reprimidos — ganham novo e interessante contorno. A vontade de viver pode ser traduzida pela força renovada da indústria relojoeira, que ressurge com cifras impressionantes de recuperação e peças de encher os olhos. Segundo a Federação da Indústria Relojoeira Suíça, só nos dois primeiros meses de 2022, o segmento teve um crescimento de 15% nas exportações, em comparação ao faturado no mesmo período de 2021. O total das vendas no ano passado foi de 23,3 bilhões de francos suíços (o equivalente a 121 bilhões de reais), aumento de 31% depois uma contração de 22% em 2020. No Brasil, os números são animadores, fechando 2021 com vendas em torno de 123 milhões de reais.

ADORNO - Modelo da linha Serpenti, da Bulgari: a ideia é não saber onde termina o bracelete e começa o mostrador dos ponteiros -
ADORNO - Modelo da linha Serpenti, da Bulgari: a ideia é não saber onde termina o bracelete e começa o mostrador dos ponteiros – Bvlgari/.

O vigor do mercado foi sentido na volta, neste ano, da Watches & Wonders, a principal feira de alta relojoaria. O evento reuniu em Genebra, no mês de abril, as 38 mais poderosas marcas do mundo. A Rolex, líder de vendas no ano passado, apresentou o GMT-Master II, logo alçado à categoria do mais ambicionado. O modelo traz a coroa e a data localizadas do lado esquerdo da peça, na posição das 9 horas, e foi montado com ornamentos cerâmicos nas cores verde e preto. Não demorou muito para que a joia se tornasse motivo de disputa entre os endinheirados. Seu preço sugerido é de 80 000 reais, mas vontade e dinheiro não bastam para adquirir a maravilha. Há uma extensa lista de espera que obedece ao critério de fidelidade, e não ao da ordem de chegada. Isso quer dizer que muita gente pode até ter entrado antes, mas, se não for cliente vip, corre o risco de ficar sem a novidade no pulso. A marca traz ainda uma reedição do Day-Date 40, modelo que a atriz Marilyn Monroe deu ao então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, com as palavras “JACK, with love as always from MARILYN, May 29th 1962” gravadas. A nova versão é feita com o precioso metal platina 950.

DESEJO - O Rolex (à dir.); um Roger Dubuis com os cavaleiros da Távola Redonda (acima, à esq.); e os diamantes cravejados do Tag Heuer: fila -
DESEJO - O Rolex (à dir.); um Roger Dubuis com os cavaleiros da Távola Redonda (acima, à esq.); e os diamantes cravejados do Tag Heuer: fila – Rolex; Roger Dubuis; TAG Heuer/.

A joalheria francesa Cartier ultrapassou a suíça Omega na lista das preferidas tendo como carro-chefe peças cravadas de pedras preciosas, uma tendência seguida por outras grifes, como a Tag Heuer. A italiana Bulgari acaba de lançar a linha Serpenti, composta de quatro modelos feitos inteiramente de metais e gemas deslumbrantes. A Bulgari, aliás, surpreendeu pela inovação. Entre as peças estreladas da relojoaria italiana, destaque para o mecânico mais fino do mundo, Octo Finissimo, com apenas 1,8 mm de espessura, comparável a uma moeda de 20 centavos de euro. A empresa levou três anos para desenvolver o produto, que quebra regras de design de movimento e sugere uma visão tridimensional. O modelo Cavaleiros da Távola Redonda, do suíço Roger Dubuis, traz a figura dos doze cavaleiros da lenda do rei Arthur em uma joia avaliada em 620 000 dólares (cerca de 2,9 milhões de reais).

arte relógio

Parece não haver dúvida: agora que podemos aproveitar a existência como se deve, a vida como ela era, e não com as necessárias restrições impostas pelo vírus, é o caso de tratar a passagem dos minutos como manda a máxima: tempo é artigo de luxo.

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)