Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mulheres redescobrem segredos do corpo com produtos de bem-estar sexual

Seis décadas depois da liberdade conquistada nos anos 1960, ganha força uma linha de lançamentos mais delicados e discretos

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 11h23 - Publicado em 23 jul 2022, 08h00
ESTIMULADOR CLITORIANO - O Bullet, da Lilit, é silencioso e se parece com um batom. Pode ser usado no chuveiro e tem cinco vibrações, permitindo a escolha de ritmo, intensidade e velocidade. -
ESTIMULADOR CLITORIANO – O Bullet, da Lilit, é silencioso e se parece com um batom. Pode ser usado no chuveiro e tem cinco vibrações, permitindo a escolha de ritmo, intensidade e velocidade. – (./Divulgação)

Voltemos a 1968, o ano que nunca terminou. Martin Luther King e Bobby Kennedy foram assassinados. Os Beatles lançaram o Álbum Branco. O tropicalista Caetano disse que era “proibido proibir”, ecoando os estudantes de Paris. O Vietnã do Norte lançou a Ofensiva Tet — e as mulheres americanas descobriram o clitóris. Em artigo que viralizou como viralizam hoje as bobagens das redes sociais, a escritora Anne Koedt lançou uma bomba em O Mito do Orgasmo Vaginal. Ela pegou um atalho nos ruidosos trabalhos de William Masters e Virginia Johnson, casal de pesquisadores do comportamento que defendia a possibilidade de as esposas chegaram a sucessivos clímax com o apoio de brinquedos, caso não fossem bem-sucedidas com os maridos, e decretou: “É tudo sobre o clitóris”. E, então, o amor-próprio feminino virou manifesto político. Os homens tremeram nas bases, como tremem ainda hoje, porque a elas foi dado o direito inclusive de chegar ao prazer solitariamente.

GEL - Marcas brasileiras apostam em ingredientes naturais em sua composição. A Lubs desenvolveu um lubrificante à base de jambu, erva do Pará conhecida por causar tremor e dormência. -
GEL – Marcas brasileiras apostam em ingredientes naturais em sua composição. A Lubs desenvolveu um lubrificante à base de jambu, erva do Pará conhecida por causar tremor e dormência. – (./Divulgação)

À revolução sexual que saíra às ruas somou-se uma outra, a da indústria de traquitanas de uso feminino. Contudo, também essa onda acabaria sendo engolida pelo machismo — e às mulheres, desde então, foram oferecidos vibradores, estimuladores e outros gadgets que parecem ter saído de filmes pornográficos, sem delicadeza alguma, entre luzes vermelhas e simulacros fálicos para “apimentar a relação”. Vive-se agora uma segunda retomada desse movimento lúdico. Ele é movido pelos atuais humores do mundo. Os produtos de prazer feminino hoje são mais discretos, numa linha denominada de “bem-estar sexual”. Os lubrificantes já não precisam ter cores vibrantes. Objetos grosseiros deram lugar a peças simples. E mais: apareceram cremes e fluidos naturais para as regiões íntimas (conheça alguns dos produtos ao longo destas páginas). O autocuidado é o nome do jogo, em um nicho que não para de crescer e que foi deflagrado pela pílula anticoncepcional, a primeira grande vitória. Em 2019, esse mercado movimentou, no mundo, cerca de 75 milhões de dólares — em 2027, deve alcançar 108 milhões de dólares. Reafirme-se, quase como um mantra, que a pandemia de Covid-19, associada às facilidades da internet, impulsionou a procura pelos itens de satisfação pessoal e intransferível.

SUGADOR - O Zum, da Holistix, simula o sexo oral por meio de ondas de pulsação. Ele tem cinco velocidades e dez programas de sucção. O material é aveludado para não agredir o clitóris. -
SUGADOR – O Zum, da Holistix, simula o sexo oral por meio de ondas de pulsação. Ele tem cinco velocidades e dez programas de sucção. O material é aveludado para não agredir o clitóris. – (@FlavioBattaiola/.)

É mudança interessante demais para ser negligenciada ou escondida por trás de cortinas escarlates. “Começa a não haver mais espaço para o imaginário sexual limitado, associado a fetiche, a lugares escuros e neon”, diz Marina Ratton, executiva-chefe da Feel e Lilit, startup brasileira que oferece lubrificantes e um estimulador, o Bullet, destinado à zona erógena. Não é o caso, ainda, de considerar que todos os tabus foram vencidos, evidentemente que não. Mas o grito emitido lá na década de 60 ecoa de outro modo — demorou, mas aos poucos chegamos lá, em ebulição necessária. “O sexo teve sempre como régua o homem”, constata Marina Costin Fuser, doutora em gênero e cinema pela Universidade de Sussex, na Inglaterra. “Felizmente, esses novos cosméticos trazem um olhar generoso com o corpo das mulheres.”

MOVIMENTO DE CORPO - Na Austrália, no fim dos anos 1960: liberdade -
MOVIMENTO DE CORPO - Na Austrália, no fim dos anos 1960: liberdade – (National Archives of Australia/.)

A estrada parece não ter retorno, e nos próximos anos é muito possível que brotem avanços, para espanto dos homens que se alimentam de egoísmo e querem estar no centro das ações. As mulheres ganham espaço e voz em seus relacionamentos. “Ter sexualidade é tão relevante quanto dormir”, resume Carolina Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite, da Universidade Federal de São Paulo. É, enfim, o desembarque do merecido respeito pelo orgasmo feminino — e não custa nada promovê-lo com a novíssima e sensível família de ofertas sem pudor.

Publicado em VEJA de 27 de julho de 2022, edição nº 2799

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.