Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Glamping’, o movimento que combina roteiros de natureza com muito luxo

Casas na árvore com wi-fi, cabanas com jacuzzi e tendas climatizadas fazem parte da tendência

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 19 mar 2023, 08h00

Foi-se o tempo em que “glamour” e “camping” remetiam a mundos distintos e que não cabiam na mesma frase. Atualmente, estão unidos numa mesma palavra, “glamping”, fusão dos dois estrangeirismos que significam, respectivamente, elegância e acampamento. Em 2016, o neologismo foi reconhecido com a inserção oficial no dicionário inglês de Oxford. A definição foi essa: “Glamping é um tipo de acampamento mais confortável e luxuoso que o tradicional”. Com a pandemia de Covid-19, o conceito tornou-se uma tendência do turismo de luxo que promete catapultar os ganhos desse segmento para as alturas.

A proposta de levar o conforto palaciano às hospedagens no meio da natureza começou com a monarquia inglesa no século XVI, que não abria mão de manter o luxo e a opulência onde quer que reis e rainhas fossem, mesmo aos lugares mais inóspitos. Em tempos recentes, a motivação é, digamos, menos nobre. Isoladas em seus lares e segregadas pelo distanciamento social, as pessoas passaram a buscar mais contato com a natureza como uma forma de escapar do isolamento e, ao mesmo tempo, evitar a propagação do novo coronavírus.

O que era uma fuga virou negócio rentável. Hoje em dia, o glamping reina absoluto em vários países e ganha cada vez mais espaço no Brasil. O turista brasileiro quer fugir das grandes cidades e respirar ao ar livre, só que rodeado de conforto e segurança. Prova disso é que a procura por esses pacotes aumentou 81% no último ano, de acordo com uma pesquisa da plataforma Pinterest. Avaliado em 3,4 bilhões de dólares, o mercado prevê crescimento de 11,8% até 2032, segundo pesquisa realizada pelo instituto Future Marks Insight.

NO MUNDO - Carroças e bambus: no Conestoga Ranch Resort, em Garden City, nos Estados Unidos (acima), os hóspedes passam a noite em carroças — mas com cama king-size e ambiente à prova de mosquitos. Na Tailândia, o Golden Triangle (à dir.), que pertence ao grupo Four Seasons, cobra diárias a partir de 15 000 reais para experiências luxuosas em meio a uma espetacular selva de bambus
NO MUNDO – Carroças e bambus: no Conestoga Ranch Resort, em Garden City, nos Estados Unidos (acima), os hóspedes passam a noite em carroças — mas com cama king-size e ambiente à prova de mosquitos. Na Tailândia, o Golden Triangle (à dir.), que pertence ao grupo Four Seasons, cobra diárias a partir de 15 000 reais para experiências luxuosas em meio a uma espetacular selva de bambus (Four Seasons Hotels/Divulgação; @conestogaranch/Facebook)

Com a alta demanda, a sofisticação das experiências alcançou níveis surpreendentes. As tendas, iglus e casas na árvore vêm hoje com portas, tetos climatizados, camas, banheiros, sinal wi-fi, serviço de limpeza, jacuzzi e até chef de cozinha particular. E ainda são sustentáveis, já que a maioria conta com reciclagem de lixo, redutores de fluxo de água e iluminação que utiliza a energia solar. É a garantia de programas livres de velhos problemas, como a falta de energia elétrica e a insegurança em relação a animais — de insetos a bichos selvagens, que podem surgir a qualquer momento e causar estragos.

Continua após a publicidade

A tendência é tão forte que está em safáris na África, praias no Caribe e Maldivas, florestas na América Central, desertos como Atacama e até nos lagos gelados da Antártica. Os Estados Unidos são os campeões do glamping, seguidos pelos países ricos da Europa, Japão e Canadá. O Brasil tem vocação inegável para abraçar o movimento, com suas florestas tropicais, as chapadas de visual arrebatador, áreas serranas e praias a perder de vista. “A proposta é brincar com as ambiguidades”, afirma Leticia Medice, proprietária do Nido Glamping, na Serra da Mantiqueira. “É o luxo e rusticidade, conforto e contato com a fauna e a flora, afastamento dos grandes centros urbanos e conectividade.”

Guias para explorar a natureza de forma segura, paisagens “instagramáveis” e outras facilidades compõem um cardápio gourmet que pode — e isso é absolutamente compreensível — melindrar o mochileiro raiz, aquele que gosta de trilhas complicadas e sorri diante dos perrengues no mato. Tudo isso, porém, tem sido bem recebido pelos turistas, um fenômeno atraente o suficiente para chamar a atenção dos grandes grupos hoteleiros, que passaram a investir no segmento — hoje eles detêm 20% desse mercado. Trata-se, afinal, de caminho sem volta, movido pela perspectiva promissora de lucro. Ver o mato de perto é ótimo, mas o passeio será melhor ainda se o turista tiver acesso ao máximo conforto possível.

Publicado em VEJA de 22 de março de 2023, edição nº 2833

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.