Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
#VirouViral Por Duda Monteiro de Barros Como surgem e se espalham os assuntos mais comentados da internet

Quem é a opositora que está tirando o sossego de Bolsonaro

Deputada Federal está sendo rechaçada por bolsonaristas nas redes

Por Duda Monteiro de Barros Atualizado em 21 jul 2022, 14h32 - Publicado em 21 jul 2022, 09h00

Tudo começou na cidade americana de Tulsa, em Oklahoma, em junho de 2020. Na ocasião, críticos de Donald Trump, que concorria à eleição presidencial, esvaziaram um comício do republicano após organizar um boicote via redes sociais. A tática era confirmar presença no evento e não comparecer. O resultado foi um estádio com metade da lotação e um candidato enfurecido.  O protesto pacífico foi ressuscitado entre os usuários brasileiros do Twitter. Dessa vez, o alvo é a Conferência Nacional do Partido Liberal, que está marcada para o próximo domingo, 24, e vai oficializar a candidatura de Jair Bolsonaro à reeleição.

A ideia ganhou força entre anônimos e famosos, que chegaram a sobrecarregar o site de retirada dos ingressos para o evento que será realizado no estádio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. Entre os que se animaram com a possibilidade de boicote ao presidente está a Deputada Federal Tabata Amaral, do PSB. Em sua conta, ela compartilhou um poste incitando os seguidores a participarem do protesto. Pouco tempo depois o autor original deletou a postagem, que acabou sumindo do perfil de Tabata.

Agora, o nome da deputada está entre os mais comentados do Twitter. Isso porque os apoiadores de Bolsonaro alegam que a política “será corresponsável por qualquer ato de violência que venha a ser cometido pela militância de esquerda na Convenção Nacional do PL”. Apesar do caráter pacifista da manifestação, usuários afirmam que a ativista pela educação “estimulou o ódio” e cometeu crime eleitoral, o que poderia impugnar sua candidatura.

Segundo Marcelo Weick, membro da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), não há ilegalidade na ação de Tabata. “Não vejo, em nenhuma hipótese, crime em uma pessoa pegar um ingresso em um site aberto e não comparecer. É, sim, um ato respeitoso de manifestação política. Não tem nada de violento ou odioso”, afirma o advogado. “Na realidade, o PL transformou erroneamente uma convenção em um comício político. Convenções partidárias são atos formais de deliberação e são, em tese, restritas aos filiados votantes — e não abertas ao público”, completa Weick.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)