Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

A redenção de Ney Matogrosso no Rock in Rio Lisboa

Vítima da revolta de metaleiros na primeira edição do festival, cantor arrasa em um show solo 37 anos depois

Por Sofia Cerqueira, de Lisboa Atualizado em 1 jul 2022, 23h27 - Publicado em 25 jun 2022, 19h18

Ney Matogrosso foi à forra no início da noite deste sábado, 25, no Rock in Rio Lisboa. Depois de ser atacado por metaleiros na primeira edição do Rock in Rio, em 1985, o cantor fez uma apresentação memorável em seu retorno a um show solo no festival. O artista, que surgiu no palco Galp Music Valley descalço e com um figurino dourado grudado ao corpo, botou seu “Bloco na Rua” – nome de sua turnê – durante 1h10. Foi de “Sangue Latino”, de Secos & Molhados, a “Jardins da Babilônia”, de Rita Lee, passando por “Iolanda”, de Chico Buarque.

Um dos momentos mais emocionantes, no entanto, foi quando ele cantou “Ponta do lápis”, de Eliezer Setton, reverenciando a comunidade indígena com projeções em um telão. A canção “O Último Dia”, de Paulinho Moska, por sua vez, ganhou uma versão em funk. O repertório que caiu no gosto da plateia, incluiu ainda músicas de Raul Seixas, Sérgio Sampaio, Cazuza e Frejat, entre outros. Em plena forma, Ney, aos 80 anos, dançou durante todo o tempo. Em vários momentos, a plateia, que formou um mar de gente que ia bem além da área em torno do palco, soltou gritinhos com “Eu te amo”, “Lindo”, “Bravo”.

Há 37 anos, quando Ney Matogrosso foi o primeiro artista a pisar no palco do Rock in Rio, ele precisou lidar com a ira dos fãs de heavy metal. O motivo de irritação com o ícone da MPB estava no fato de aquele dia ser dedicado, em sua maioria, às bandas de metal. “Era uma noite dedicada a outro estilo de música e, de repente, surge no palco um cara seminu cantando ‘Deus salve a América do Sul…’. Meia dúzia de metaleiros sem educação, que estavam mais próximos ao palco, começaram a atirar ovos (cozidos) na minha direção”, descreve o artista a VEJA. “Achei que agora, com esse show, seria um bom momento de voltar ao festival”, completou.

Antes de participar da 9ª edição do Rock in Rio Lisboa, o cantor já havia feito outras duas participações no festival. Ele cantou em um tributo a Cazuza há 9 anos. Em 2017, junto com a banda Nação Zumbi lembrou grandes sucessos do grupo Secos & Molhados, do qual era vocalista. Do Rock in Rio Lisboa, Ney segue para shows nos Estados Unidos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)