Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

A crítica de Erika Hilton a declaração do presidente do CFM

José Hiran Gallo participou de uma sessão no Senado

Por Giovanna Fraguito Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 21 jun 2024, 19h09 - Publicado em 21 jun 2024, 19h02

A deputada federal Erika Hilton, líder do PSOL e da Rede na Câmara dos Deputados, tem se manifestado contra o Projeto de Lei 1904/24, que equipara o aborto acima de 22 semanas de gestação ao homicídio. Nesta quinta-feira, 20, ela criticou a declaração do presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), José Hiran Gallo, sobre a “autonomia da mulher” não poder superar o dever de “proteger a vida”.

“O presidente do CFM está usando meninas, 80% das vítimas de violência sexual, como palanque político a favor do PL [projeto de lei] 1.904 e ideais bolsonaristas. E ele, que deveria representar a classe médica, está defendendo o fim do direito de mulheres, meninas e pessoas que gestam ao próprio corpo, e que médicos devem submetê-las ao que na prática, é tortura, as revitimizando e colocando suas vidas e saúde em risco. Sim, tortura. Forçar uma menina vítima de violência sexual ao “parto” é um dos maiores horrores já propostos na história da Congresso e do CFM”, declarou a deputada no X.

José Hiran Gallo participou, no início da semana, de uma sessão convocada pelo Senado para debater a assistolia fetal, um procedimento abortivo. Ele falou sobre a resolução 2.378 de 2024 do CFM, que proibia médicos de realizarem o procedimento para interromper gestações acima de 22 semanas em casos decorrentes de estupro. A medida foi suspensa pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em maio deste ano. “Até que ponto a prática da assistolia fetal em gestação acima de 22 semanas traz benefício e não causa malefício? Esta é a pergunta. Só causa malefício. Nesse campo, o direito à autonomia da mulher esbarra, sem dúvida, no dever constitucional imposto a todos nós de proteger a vida de qualquer um, mesmo um ser humano formado com 22 semanas”, disse o presidente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.