Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

Exclusivo: quem são os eleitores que rejeitam Bolsonaro e Lula

Pesquisa mostra que um em cada quatro eleitores prefere uma terceira opção

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 set 2021, 10h20 - Publicado em 14 set 2021, 12h50

A terceira via não conseguiu encher duas quadras na Avenida Paulista no último domingo, mas sobrevive como esperança de milhões de eleitores que buscam uma opção viável a Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva na eleição de 2022. Existe uma brecha real para um candidato Nem-Nem? A pedido de VEJA, a Quaest/Genial produziu o mais detalhado estudo sobre os eleitores Nem-Nem.

Pesquisa nacional realizada entre 26 e 29 de agosto com 2 mil entrevistas mostrou que posto diante de três opções os eleitores se repartiram assim:

45% Lula
23% Bolsonaro
25% Nem Bolsonaro, Nem Lula

Nas condições atuais, Lula está perto de vencer já no primeiro turno, mas o potencial de votos de um candidato Nem-Nem é grande.

Detalhamento da sondagem mostra que a demanda por um candidato Nem-Nem é do Sudeste e Sul:

Continua após a publicidade

22% estão em São Paulo
13% Rio de Janeiro
9% em Minas Gerais
7% Rio Grande do Sul e Santa Catarina
6% Paraná

O perfil dos eleitores Nem Nem:

64% trabalham com carteira assinada
56% mulheres
48% idade entre 35 e 60 anos
40% votaram em Bolsonaro no segundo turno de 2018
48% católicos
39% ensino fundamental
36% tem Superior completo ou incompleto
35% região Sul
34% se informam por portais de notícias
32% ganham mais de 5 salários-mínimos

O eleitor Nem-Nem é tão crítico do governo Bolsonaro quando os lulistas.

Continua após a publicidade

70% estão muito preocupados com a pandemia
73% acham que a economia piorou.

Eles têm posturas contrárias aos bolsonaristas em temas como a confiança nas urnas eletrônicas, liberação de posse de arma, direitos das mulheres, debate de sexualidade nas escolas, contra a privatização, reajustes de salários e defesa do SUS.

Quando confrontados com os nomes possíveis, os eleitores se dividem assim:

Ciro Gomes (PDT)

33% conhecem e poderiam votar
53% conhecem e não confiam
11% não conhecem

João Doria (PSDB)

20% conhecem e poderiam votar
57% conhecem e não votariam
19% não conhecem

Eduardo Leite (PSDB)

10% conhecem e poderiam votar
28% conhecem e não votariam
60% não conhecem

Rodrigo Pacheco (PSD)

7% conhecem e poderiam votar
31% conhecem e não votariam
60% não conhece

Simone Tebet (MDB)

5% conhecem e poderiam votar
14% conhecem e não votariam
80% não conhecem

O governador João Doria é conhecido e muito rejeitado. Candidato a presidente pela quarta vez, Ciro Gomes é o mais conhecido e tem alta rejeição. O governador Eduardo Leite e os senadores Rodrigo Pacheco e Simone Tebet são desconhecidos mesmo para os eleitores não querem votar em Lula e Bolsonaro.

Não é um quadro simples. Desde que Lula recuperou os direitos políticos, já desistiram de serem candidatos o ex-ministro Sergio Moro, o apresentador Luciano Huck e o executivo João Amoêdo. Quando confrontados com Lula e Bolsonaro, a terceira via some. Lula fica com 465, Bolsonaro, 26%; Ciro, 8% e Doria, 6%. Faltando pouco mais de um ano para as eleições, a terceira via é uma miragem.

Mas se existe demanda, é provável que haverá oferta. Para crescer, os candidatos a terceira terão de iniciar suas campanhas no Sudeste-Sul e centrar a sua artilharia em Bolsonaro. O antipetismo tosco dos pixulecos já está ocupado pelo bolsonarismo e as ruas no domingo mostraram que alguns movimentos são mais fortes no twitter do que na vida real.

Continua após a publicidade

Por duas vezes, a terceira via quase deu certo. Em 2002, o governo Fernando Henrique era tão impopular que o eleitor conservador flertou com Roseana Sarney, Ciro Gomes e Anthony Garotinho e no final votou em Lula. A uma semana do primeiro turno de 2014, Marina Silva tinha um segundo lugar que foi perdido por um péssimo desempenho nos debates e falta de estrutura partidária. Os dois episódios trazem lições. No primeiro caso, só um governo fraco como o de FHC em 2002 permite a possibilidade de sequer chegar ao segundo turno. O exemplo de 2014 mostra que eleições presidenciais são plebiscitárias por natureza. Para chegar a enfrentar Lula num segundo turno, os Nem-Nem primeiro precisam derrotar Bolsonaro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.