Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

Dois erros com uma decisão

Nomeação de Pimenta para ministério da Reconstrução politiza ação federal no Sul e piora coordenação da comunicação

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 Maio 2024, 23h00 - Publicado em 15 Maio 2024, 16h10

O governo Lula enfrenta dois desafios gigantescos hoje: dar início à reconstrução do Rio Grande do Sul e enfrentar a onda de notícias falsas que podem transformar a ação federal em mais um capítulo da polarização calcificada entre petistas e bolsonaristas. Com a transferência do ministro da Comunicação Social, Paulo Pimenta, para a pasta extraordinária de Reconstrução, Lula tornou muito improvável obter sucesso nas duas missões. Com uma única decisão, Lula cometeu dois erros.

Deputado federal pelo PT gaúcho, Pimenta é o único gaúcho do ministério e se comporta como pré-candidato a governador em 2026. A sua nomeação como coordenador das ações federais para recuperar o Rio Grande contamina o plano com a política partidária e dificulta a trégua com o governador tucano Eduardo Leite. Qualquer discordância com o governo gaúcho, algo natural num cenário tão complicado, será vista como pano de fundo para a disputa eleitoral de 2026. Como mostrou Andreia Sadi, da Globonews, mesmo no PT houve críticas pela nomeação.

Como, em tese, Pimenta voltará para a Secretaria de Comunicação Social quando o plano de reconstrução for encaminhado, o presidente está deixando a sua comunicação acéfala por meses. Seria ruim em condições normais, mas é pior quando os próprios Lula e Pimenta reconhecem a fragilidade do governo nas redes sociais.

A dificuldade da comunicação do governo é consenso. Parte do problema é a competência bolsonarista nas redes. A outra parte vem da divisão da Secom entre Pimenta (que toca, principalmente, a publicidade federal), a primeira-dama Janja da Silva (com fortes opiniões sobre as redes socais oficiais), o secretario de Imprensa José Chrispiniano e o fotógrafo oficial Ricardo Stuckert. Sem Pimenta, a descoordenação da comunicação pode aumentar.

Lula criou dois problemas para si mesmo que só ele pode arrumar, delimitar as ações de Pimenta no Sul (o que pode dificultar o seu trabalho) e nomear um ministro com força para dar um tom único à comunicação oficial.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.