Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

49% dos brasileiros veem o Brasil na direção errada e 43% no rumo certo

Os números da pesquisa Genial/Quaest são preocupantes para o governo, mas, mais do um alerta, eles trazem uma lição

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
25 out 2023, 07h00

A queda na aprovação do governo Lula detectada na última pesquisa Genial/Quaest, de 60% para 54%, está correlacionada com pessimismo na economia. Para 49% dos entrevistados, o Brasil está na direção errada, enquanto 43% acham que o rumo está certo. Em junho, a maioria estava otimista: 46% a 41%. Nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste/Norte, há mais brasileiros pessimistas com o caminho do país do que otimistas.

47% dos entrevistados acham que a inflação vai subir, ante 35% em junho. 40% acham que o desemprego também vai subir e 33% temem que terão redução de salário. De acordo com a pesquisa, 57% acham que subiram os preços das contas de casa, 43% viram alta nos combustíveis e 42% notaram alta no custos da comida.

Desde agosto, a perspectiva de que a economia vai melhorar caiu de 59% para 50%, enquanto a de que pode piorar subiu de 22% para 28%. 33% acham que a economia melhorou nos últimos doze meses, empate técnico com os 32% que consideram que piorou.

Os números são preocupantes para o governo, mas mais do um alerta eles trazem uma lição. Lula estreou o mandato sob o risco de um golpe de Estado e, sob a perspectiva de uma recessão no fim do ano, tomou uma série de medidas: concedeu aumento real ao salário mínimo, isenção de imposto de renda para quem ganha até R$ 2.600, multiplicou os bônus no Bolsa Família, iniciou o programa de renegociação de dívidas chamado Desenrola e jogou o seu poder político para fazer aprovar no Congresso o novo marco fiscal e a reforma tributária na Câmara dos Deputados, votações que permitiram a queda no dólar e o início no ciclo de cortes dos juros. Foi ajudado pela safra recorde de alimentos, que derrubou a inflação, e da boa vontade do mercado financeiro com o ministro Fernando Haddad. E daí, Lula parou.

Continua após a publicidade

Nem cenário otimista, a pesquisa pode servir para acordar o governo. Num pessimista, para dobrar a aposta em mais barulho na comunicação e menos gestos efetivos para falar com as preocupações dos brasileiros.

Desde agosto, o governo Lula joga de lado, como um time que está ganhando o jogo e quer gastar o tempo. Nada de relevante foi votado no Congresso e os programas governamentais _ do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) ao Minha Casa Minha Vida _ são um amontoado de promessas sem argamassa. Lula se enfurnou nos debates mundiais _ do G20 à Guerra em Gaza_, mas pouca ou nenhuma atenção deu aos problemas brasileiros, das vítimas das enchentes na região Sul à fumaça que intoxica os moradores de Manaus. Lula virou um presidente ausente, presente nos posts das redes socais, mas longe do cotidiano de gente de verdade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.